Mensagens

A mostrar mensagens de 2012

Adeus 2012... Olá 2013!!!

Imagem
Adeus 2012. Foste um ano que não deixou grandes saudades. Não por culpa tua porque, em boa verdade, quando chegaste vinhas com as melhores intenções e todos nós pensámos que tu irias ser "O Ano". E foste, mas pelas piores razões. Graças a algumas pessoas de excelsa inteligência que passaram os dias a imaginar a melhor forma de dar cabo de um pequeno país à beira-mar plantado. Desculpa a sinceridade, 2012, mas contra tudo e contra todos espero mais do teu irmão mais novo, o 2013. Deixa-me dizer-te com alegria "Bye bye 2012" e com expectativa apreensiva... "Hellooo 2013!!!"

Feliz Natal

Imagem

D. Berta: até uma dia...

A D. Berta foi uma das primeiras pessoas que conheci na Guiné-Bissau e que fui revisitando sempre que regressei àquele país. Estávamos algures em Março de 1996, ou Abril, e eu andava por lá a fazer a pesquisa  para a dissertação de Mestrado. Nessa altura passei horas a falar com ela, aliás como toda a gente que passava por Bissau, ou que lá vivia, e a comer a gelados que ela me oferecia no meio dos meus receios de principiante em terras de África. As recomendações tinham sido mais do que muitas - cuidados a ter com o que comia e bebia, sendo impensável socorrer-me de gelo, gelados, sumos de fruta e tanto mais por causa das águas e de tudo o que se poderia seguir. Mas comi gelados deliciosos, magníficos, caseiros e muito confiáveis, já que não me aconteceu nada a não ser usufruir de bons momentos e regressar a Lisboa muito mais rica pelas experiências que por lá tive :-) No calor do final dos quentes anos 90 em Bissau, aqueles gelados tiveram o sabor da vida... A D. Berta - avó Berta, c…

Pensamentos analógicos ou da sauna ao sacador de mãos

Há tempo que não fazia sauna e talvez por isso me surpreenda com as atitudes de algumas pessoas. Pois bem, o que se passa é o que a seguir explico. Estando dentro da cabine percebo que uma grande parte das frequentadoras do equipamento o utiliza como se de um secador se tratasse. Algumas pessoas - a maioria com a qual me tenho cruzado - entra na sauna, pensava eu, para uns minutos de desintoxicação. Engano meu. A maioria, considerando que apenas eu por lá permaneci por 10 minutos, entra e após o duche, que não faço a menor ideia se foi ou não eficaz, limpa-se cuidadosamente coma toalha, inclusivamente entre os dedos dos pés de forma a retirar qualquer resquício de humidade. Depois há algumas variantes, umas acabam por sair após a secagem, outras abrem os braços baloiçando-os, enrolam-se de novo na toalha e saem. Uma simples observação do comportamento destas pessoas num equipamento de uso comum em contexto de lazer é absolutamente hilariante. Sobretudo para quem, como eu, também lecci…

Conferência de Luanda sobre a Paz e Segurança na região do Golfo da Guiné

CONFERÊNCIA DE LUANDA SOBRE A PAZ E SEGURANÇA NA REGIÃO DO GOLFO DA GUINÉ
LUANDA, 27-29 de Novembro
Temas em debate (lá estarei no painel 8)Painel #1: O Golfo da Guiné, zona de paz e segurança.Painel #2: A influência da paz e segurança na região do Golfo da Guiné para a estabilidade e desenvolvimento do Continente Africano.Painel #3: A extensão da Plataforma Continental, necessidade e desafio
 para a região do Golfo da Guiné.
Painel #4: O estado e as consequências da imigração ilegal para a paz e segurança na região do Golfo da Guiné.
Painel #5: A experiência da CEDEAO na manutenção da paz e segurança. Lições para a região do Golfo da Guiné.
Painel #6: A importância da segurança da região do Golfo da Guiné como rota de transporte marítimo.
Painel #7: A contribuição do mecanismo de manutenção da paz e segurança na África Central, à segurança da região do Golfo da Guiné.
Painel #8: O ecossistema da região do Golfo da Guiné como parte do seu ambiente de segurança.
Painel #9: A região do Golfo da …

Da Guiné, com a Guiné, para a Guiné

Imagem
Somos muitos os que, num qualquer momento, nos apaixonámos por África e que, após uma primeira incursão à Guiné-Bissau, sentimos que a nossa vida mudou para sempre. Por lá conhecemos pessoas excepcionais, percorremos paisagens de encantos múltiplos, observámos espécies de cores e formas únicas que evidenciaram também alguma curiosidade por nós.  E é muito gratificante sempre que encontramos outras pessoas que, como nós, não sendo guineenses, têm o mesmo sentimento em relação àquele povo que só merece o que de melhor existe ou que pode ser concebido. Hoje foi um dia em que um blogger me contactou com o objectivo de partilharmos ideias sobre a Guiné-Bissau. Excelente, foi para mim uma enorme honra. Ora, aqui está: é no CART 3494 & Camaradas da Guiné. Tem muita informação que vale a pena explorar. Obrigada, grande dinamizador.

Como o macaco do conto: cego, surdo e mudo...

Imagem
Os relatos de torturas na Guiné-Bissau continuam e os pormenores são absolutamente atrozes e de uma desumanidade impensável. Basta consultar algumas páginas da net (blogs, jornais digitais, grupos, facebook...). Não há quem pare esta gente? O que é feito da comunidade internacional? Ainda têm dúvidas e não querem ser acusados de ingerência??? E entretanto... como ficam as consciências de uns e de outros, deixando que alguns lunáticos que se sentem guerreiros do Apocalipse, agindo de forma mais cruel do que o mais feroz dos animais, continuem a agredir, a mutilar e a matar...? Para que servem afinal as organizações internacionais de carácter humanitário, tão defensoras dos direitos humanos, mas se calhar só no conforto da poltrona, e que se apelidam de cooperantes??? Seguramente que estou a passar por uma fase mais do que crítica e céptica... mas sou incapaz de compreender a ausência total de acção, incluindo por parte das representações estrangeiras no país. Fazem-me lembrar o macaco …

Once again... o medo reina em Bissau

Imagem
Não, não parece ser justo e, em boa verdade, não é. A Guiné-Bissau está de novo a viver sob o clima do medo... Ataques verdadeiros ou supostos, mortes, perseguições, detenções e desaparecimentos com ou sem mais mortos. Está prestes a instalar-se o clima do terror. Ninguém merece viver assim, a pensar que um qualquer dia pode ser o seu e que esse dia está tão próximo que pode ser o já e o agora. Ninguém - ou quase - gosta de pensar no dia em que tudo muda. Tenho para mim que viver com insegurança e na incerteza não é viver. É como se soubéssemos antecipadamente em que dia iríamos morrer e ainda com a certeza de termos o bónus da tortura mais ou menos violenta. Pior do que sentirmos que esse era o nosso fado seria olharmos para os que queremos muito e de quem gostamos porque são a nossa essência e sabermos que esse era o seu destino. Não queremos sofrer, e muito menos sem percebermos porquê, mas imaginarmos que os que mais amamos nesta vida estão a sofrer... faz-nos sofrer duplamente. É …

É bom o frio...

O frio não chegou ainda mas, de vez em quando, faz uns ligeiros ameaços reconfortando-me. Sim, espero-o há tempo como se de um amigo distante se tratasse. A presença dele leva-me a enroscar mais vezes em ti e a sentir o teu calor. É bom o frio. De vez em quando, nem que seja...

Faz hoje 10 anos... :-)

Imagem
Hoje é mais um dia especial. Faz 10 anos que estava a ultimar os preparativos para uma experiência inesquecível. E como tudo o que é inesquecível provavelmente irrepetível mas muitas e muitas vezes relembrado. Faz hoje 10 anos que fui para São Tomé e Príncipe, com a cabeça repleta de expectativas de um futuro que se abrisse a novas oportunidades após a conclusão do doutoramento. E depois... depois a coisa fez-se, já lá vão 7 anos e meio. E depois desse momento também inesquecível, veio um pós doutoramento de 6 anos com mais coisas pelo meio. As expectativas de que o mundo se abrisse em oportunidades permaneceram mas, para dar razão ao Murphy que engendrou a lei, o mundo não só não se abriu como até parece que se fechou. Uma coisa é certa: mesmo que essas expectativas jamais se venham a cumprir, as experiências e as vivências inesquecíveis ficam comigo para sempre. E também o carinho por esse magnífico país que me acolheu como só STP e os santomenses sabem fazer, jamais se esquecem!

Na corda bamba

Tantas e tantas vezes sentiu-se baloiçar na corda bamba, como se não houvesse chão por baixo e a sabedoria estivesse no equilíbrio dos movimentos. Até aqui, teve sempre coragem e força para chegar ao fim da corda, a um qualquer porto seguro. Hoje já não sentia a mesma energia e vontade de vencer. Na verdade, tudo parecia tão pouco compensador que já não sabia se valeria a pena ir um pouco mais além, esforçar-se um pouco mais, só um bocadinho assim. Sentia-se esgotado, trôpego, sem forças, cambaleante, para além do desassossego lhe apoquentar os dias. Haveria certamente outros lugares melhores, mais tranquilos, mais estáveis, mais seguros, mais...

Visões entre Lisboa e Cascais...

Depois do carro ter avariado, sei lá eu o que é que tem, dei-lhe tréguas até ir para a oficina. Não me apetece gastar mais dinheiro com ele, nunca um carro com tão pouco tempo me deu tantos problemas. Azar, dirão alguns. Pois não sei. Em maré de azar é no que mais tenho andado. Ou isto dá uma volta ou não sei. Já não sei nem quero saber. E essa é a pior parte, não querer saber. Não me interessa, já nem me interessa. São quase 20h30 e à minha frente, no comboio para Cascais, vai uma figura que tem a imagem de Jesus Cristo. Se andasse por estes lados, até poderia ser Ele. Tenho vindo focalizada nele, siderada ao ponto dele se ter também fixado em mim, o que não é uma situação confortável. Mas o pior é que não consigo desviar os olhos. É mesmo parecido com a imagem que tenho Dele. A questão é que ele me faz lembrar Jesus Cristo mas já eu não me pareço em nada com a Maria Madalena. A esta hora, os meus companheiros de carruagem têm um ar triste, circunspecto, metido com eles próprios. Mais …

E se a vida fosse só lazer...

A vida quotidiana devia ter mais momentos de lazer ou até quem sabe ser apenas lazer. Tudo seria mais fácil, simpático, escorreito, animado, recreativo... O problema seria um só: deixaríamos de valorizar os tempos e os espaços dedicados ao lazer para passarmos a entendê-los como a quotidianeidade. E aí...? Ah pois é, aí passaríamos a entender esses momentos como rotineiros, obrigatórios e comuns, em vez de serem definidos como excepcionais porque marcados pela diferenciação Passariam a ser tempos e espaços de diversão obrigatória, de aprendizagem lúdica e de festa contínua. E nada na vida é permanente, tudo é efémero, transitório, passageiro... até, e sobretudo, a parte animada da vida recriada e reconstruída. Tudo o mais se faz, se passa sem nos darmos conta. Uma enorme frustração...

Olá, continuo por aqui nem que seja em pensamento...

Imagem
E depois de um sonho rápido mas intenso acordei. Não, não estava lá de novo e lamentei-me por isso. Mas enquanto dormitei passei pelas ilhas só para dizer - "Olá, continuo por aqui nem que seja em pensamento"... 
No sonho estávamos todos por lá. E quando digo todos, são todos mesmo. Todos os que fui conhecendo ao longo de mais de 15 anos de permanências e visitas às ilhas. A passagem foi um pouco confusa, tenho de admitir, porque estranhamente todas as pessoas se conheciam e interagiam sem problemas, até as que não é suposto virem a conhecer-se ou conseguir trocar duas palavras que seja. 
Não sei se sonhei com o paraíso mas fiquei muito mais bem disposta quando acordei... e, na verdade, gostei de rever tanta gente no curto espaço de tempo de 20 minutos...

Powerpoints do Seminário Internacional "Alterações Climáticas e suas repercussões sócio-ambientais", São Tomé, Agosto de 2012

Estão disponíveis para consulta e download os slides das apresentações em formato PDF referentes às comunicações do Seminário Internacional "Alterações Climáticas e suas repercussões sócio-ambientais", realizado em São Tomé no passado mês de Agosto. Recomendamos a todos que, em caso de pretenderem utilizar alguma informação que agora disponibilizamos, deverão contactar os respectivos autores cujos emails estão identificados nas apresentações, procedendo à respectiva referenciação.
Poderão assim consultar as apresentações (formato PDF) do Seminário em: 1. Todas as apresentações 2. As apresentações do Painel I (Enquadramentos) e Painel II(A Insularidade em Debate) - dia 22 de Agosto 3. As apresentações do Painel III (A Insularidade em Debate)e Painel IV (Estratégias: Que Futuro?) - dia 23 de Agosto
Em breve disponibilizaremos os textos das Sessões de Abertura e de Encerramento e apenas mais tarde os textos das comunicações.

Conversa encantada

Há tempos, alguém me perguntava dando a entender profundo conhecimento sobre a causa dos afectos, apesar de se calhar perceber muito menos deles do que eu:
- Apaixonaste-te?
- Não, claro que não - respondi - não, acho que não, por quem? Nem tempo houve para isso...
- Mas encantaste-te...
- Sim, sabes que gosto de me deixar encantar. E sabes que facilmente me encanto com tudo, por tudo... não com todos nem por todos...
- E não tens medo de confundir o que sentes?
- Não, porque teria? São sentimentos claramente diferentes, apesar de igualmente inspiradores...
- E igualmente perigosos...?
- Não diria tal, desta vez não me parece que tenha corrido o risco de me confundir. E depois, tudo é tão claro, tão honesto, tão sincero. As pessoas que são encantadoras têm um não sei o quê de diferente e por isso é um encanto podermos partilhar tempos e espaços sem o medo, ou a ansiedade, de vermos o nosso eu mais profundo remexido... Até porque as pessoas verdadeiramente encantadoras procuram não nos desenca…

A angústia do (re)início

É nas épocas de (re)início que compreendo os actores de teatro. Segundo eles, o início de uma peça é sempre angustiante, um pouco stressante até, como se fosse a primeira vez. Eu sinto precisamente isso... :-) Depois tudo flui e a normalidade parece regressar com o apaziguamento dos sentidos. Mas até lá, as horas que antecedem o retorno são pouco confortáveis...

A visão das emoções

Imagem
Sim, era possível alguém encantar-se por outro alguém com rapidez ultra-sónica. Não sei se esses sentimentos seriam paixão, diria que não, que não passariam de um deslumbramento estimulado por uma solidão anterior acoplada por uns rasgos de atenção, nem sempre regulares e contínuos, e sobretudo alimentados pelo aliciamento do "descompromisso" que apenas os locais de passagem permitem a quem, mesmo que involuntária ou inconscientemente se deixa levar por eles. São Tomé e Príncipe tinha e continua a ter essa factor quase místico que permite às pessoas sentirem de forma diferente tudo o que é normal em vivências efémeras e tão fugazes que se ocorressem noutro contexto jamais seriam marcadas pela diferenciação. 
Hoje tenho esta visão mais do que clara como se fosse a evidência das evidências e é bom viajar para as ilhas com a plena consciência do efeito que provocam. É como se, ao olhar para os outros, conseguisse rever situações que eu própria vivi e  que não me dão a capacidade…

A inversão do "déjà vu"

A sensação de "déjà vu" nem sempre é boa, muitas vezes dá a ideia de haver uma certa inversão na vida. Em São Tomé, a percepção de ter presenciado anteriormente algumas situações é muito reconfortante fazendo-me sentir segura e confortável, como se tivesse uma extra-capacidade para antever os resultados, quase com um sentido previsionista. Mas ao regressar percebo que a vida por cá permanece quase igual, o que não é assim lá muito reconfortante. Para além da crise, sobre a qual já não se aguenta mais ouvir falar porque a vida do comum dos mortais foi profundamente afectada sem evidentes benefícios efectivos ou materializáveis. As análises económicas continuam a ser devastadoras, terrificantes e apenas aceitáveis para quem vive em permanente delírio não tomando conta da realidade, nem querendo tomar... E ao regressar percebo que a sensação de "déjà vu" me acompanha ou persegue... mas no pior sentido do termo. Como se a nossa vida fosse realmente cíclica e eu estives…

Percepções

Imagem
Aqueles são lugares de encontro, de reunião e de partilha. Tudo faz sentido quando se está por lá, ou parece fazer, apesar de sabermos que até os melhores momentos se esvaem por serem fugazes, fluídos, voláteis... Mas, enquanto se vivem é como se fossem eternos porque a intensidade que lhes atribuímos é muito compensadora.

Prolongamentos da existência

Imagem
Pensando bem, a tendência foi sempre de adocicar os momentos vividos, mesmo os menos doces. Até os que não foram vividos ficando suspensos em possibilidades inviáveis foram aligeirados pelos recantos da memória para que não fossem ensombrados por vontades incumpridas. As vivências passaram assim a ser prolongadas por lembranças e olhares revisitados vezes sem conta, como se a cada regresso tudo se pudesse viver de novo. Não que quisesse recuperar na íntegra o passado - alguns momentos poderiam mesmo ter sido evitados - mas a minha memória tem essa insondável capacidade de seleccionar apenas o melhor. Hoje, mais do que nunca, os sorrisos aparecem ao recuperar momentos perdidos no tempo e nas vidas que entretanto se fizeram presentes. Tudo muda porque a vida é transitória mas nós temos a capacidade de prolongar o que de melhor tivemos e assim vamos recuperando um pouco de outros eus que fazem parte do que somos hoje...

Gosto de ilhas

Imagem
O que sempre me encantou nas ilhas, e em particular naquelas, foi a sensação de que ali a evasão não só é possível como se transforma em realidade. É possível ser diferente, criar situações, encarnar personagens, viver sonhos. Basta querer. As ilhas influenciam de tal forma a nossa interioridade que é fácil acreditar que a transitoriedade é a constância, que o efémero é perene, que a ilusão é a verdade. Se conseguirmos aceitar esta mistura que muitas vezes se molda numa indefinição difusa, então as ilhas são o melhor lugar para se visitar e até viver. Eu gosto de ilhas. Transmitem-me tudo isto e, ainda mais importante, paz!

No regresso

Imagem
Sempre que regressava do que gostava de chamar o "paraíso na terra" ou o "local onde todos os sonhos são possíveis" sentia uma angústia, um vazio, uma ausência vá-se lá saber de quê, mas que parecia marcar os minutos, os dias, as semanas... No regresso tudo parecia inexoravelmente desconfortável, desconcertante, desinteressante...

Conversas antigas mas oportunas no presente...

Imagem
Um dia, lá pelas ilhas, alguém que fazia parte das minhas relações de proximidade disse-me:
- Pense que aqui todos estamos de passagem. Num dia conhecemos uma pessoa e a sensação que temos é que sempre fez parte da nossa vida e por pouco que a conheçamos passamos a olhá-la como um dos nossos. Aqui rapidamente se ganha confiança e proximidade, as paixões são fáceis porque tudo parece fazer sentido. Tem cuidado com quem conheces, a quem te entregas... 
- Mas porquê? Não entendo, tudo parece simples, verdadeiro...
- Nem tudo o que parece é, a ilusão marca os nossos dias porque é apenas isso que queremos: a evasão; o deslumbramento; os encantamentos; as promessas. Tem cuidado com o que aqui desejas porque de tanto desejares acabas por realizar. Tudo, até o mais improvável, o que sempre julgaste impossível, por cá, pode acontecer. E depois de acontecer deixas de desejar. O desejo é perigoso e deves sempre tentar antever se te vais dar bem ou mal com essa realização.
- Mas isso é um risco não c…

Magias...

Imagem
Podia regressar vezes sem conta que a magia permanecia em todos os locais, nas tonalidade, nas formas, nos cheiros, nos paladares, nas pessoas, nos sorrisos, nas conversas... Tudo tem um não sei o quê de encantatório, como se nos tocassem com pós ou nos levassem a beber poções de valorização do que se vê, do que se come, de quem se conhece e do que se faz. Com a distância, para quem fica e para quem parte, o que foi a realidade minimamente vivida passa a ser lembrado como a feliz eternidade...

Ali sinto que vivo...

Imagem
Aquele é um sítio repleto de locais mágicos que me trazem conforto, uma sensação de regresso às origens. Não! Nem tudo é perfeito por lá. Mas as emoções que tudo me transmite continuam a ser de reencontro, de apaziguamento, de vida. A maioria das pessoas não entende quando o digo mas ali sinto, mais do que em qualquer outro lugar, a vida a correr em mim, a fluir ora de forma acelerada com o empolgamento da juventude, ora com calma e ternura de uma maturidade recente. Ali sinto que vivo...

Percepção de "déjà vu"

Imagem
Num ou noutro dia, a sensação foi de "déjà vu", como se algumas situações que se estavam a viver já tivessem ocorrido. Não com estas pessoas, com outras, mas por momentos, e como se apenas a percepção de um flash me permitisse tomar consciência do que se estava a passar, visualizei fotografias antigas que foram sendo registadas na minha memória. Dez, doze anos, uma eternidade que se perpetuou e que, com o passar do tempo, me permitiu reter mais os bons momentos do que os de incerteza e angústia. Ainda não consigo definir com exatidão se é o contexto que determina as minhas percepções ou se, na verdade, o que tantas vezes presencio é pura e simples realidade. Algumas histórias parecem repetir-se apesar dos contornos serem diferentes, talvez mais difusos e menos evidentes. Ou talvez seja eu que os defino assim. Com o regresso, a sensação de "déjà vu" não se atenuou, antes pelo contrário, talvez tenha sido mesmo reforçada. A distância em relação ao que se observa e vi…

Inspiração...

Imagem
A minha última estadia em São Tomé foi profundamente inspiradora, aliás como sempre. As ilhas têm um efeito em mim que resulta numa percepção diferenciada do tempo com valorização dos momentos vividos. Não sei se com os outros se passa o mesmo, ainda não percebi. Mas, na verdade, tenho a sensação de que por lá vivo de uma forma mais intensa e com um sentido mais positivo.  

Habitualmente escrevo muito quando estou em São Tomé e este blog começou, em parte, por ser o resultado desse misto de inspiração com vivências intensas. Desta vez, escrevi menos. Involuntariamente e sem grande consciência... A inspiração acompanhou-me na mesma mas retive-a numa espécie de contenção que nem sempre é positiva. 
Alguém disse-me um dia que quando se escreve menos vive-se mais. Quem me disse isso foi uma pessoa que habitualmente não gosto de recordar mas tenho de reconhecer que até tinha razão quando me dizia isso com ar supostamente sábio (supostamente porque não era uma pessoa muito credível...). 
A sem…

Regressar ao local onde se foi feliz

Imagem
Diz-se por aí que não devemos regressar aos locais onde fomos felizes. Não percebo porquê e não concordo. Passo a explicar: os locais onde fomos felizes estão, para nós, carregados de valor simbólico já que, por tudo e por nada, o presente é invadido pelas recordações ternas dos que achamos que foram os melhores momentos de uma vida. Não que não possamos viver outros tão bons ou melhores no mesmo local ou noutro, com as mesmas pessoas ou outras. Mas tendemos a associar ao espaço imagens e representações que o enriquecem e reforçam, fazendo com que para nós passem a ser locais especiais. Gosto de regressar aos locais onde fui feliz. Volto a ser feliz, uma e outra vez, tantas quantas as recordações permitirem sem que isso me impeça de sentir felicidade de outras formas. E com o passar do tempo, aquele é um lugar feliz só porque as vivências felizes são tantas que acabam por se entrecruzar da forma mais feliz que é possível. São Tomé é o meu lugar feliz :-) Praia do Governador, 25 de Agos…

Seminário Internacional "Alterações Climáticas e suas repercussões sócio-ambientais" - NOTA DE IMPRENSA

NOTA DE IMPRENSAEntre 20 e 23 de Agosto de 2012 realiza-se em São Tomé e Príncipe o Seminário Internacional "Alterações Climáticas e suas repercussões sócio-ambientais". A organização do evento é o resultado de uma parceria internacional entre entidades públicas de São Tomé e Príncipe (Direcção-Geral do Ambiente e Direcção de Florestas), Universidades e Centros de Investigação Científica de Portugal (Observatório de Relações Exteriores da Universidade Autónoma de Lisboa e Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa) e espanholas (Centro de Extensión Universitária e Divulgación Ambiental de Galícia e Universidade de Santiago de Compostela), Organizações da Sociedade Civil (MARAPA, Associação Portuguesa de Educação Ambiental, Associação Internacional de Investigadores em Educação Ambiental).Está prevista a realização de visitas, no âmbito das quais serão desenvolvidas atividades práticas e dois dias (22 e 23) de debates em sala, que decorrerão no Palácio dos Congre…

Lua cheia de vida e energia

Imagem
Hoje é uma noite especial: é noite de lua cheia. Redonda, luminosa, grande, intensa, inspiradora. Há muitos anos que não a via desta forma, tão cheia de vida, tão mensageira de boas novas, tão auspiciosa. Faz tempo em que, por terras tropicais, quentes e húmidas, uma lua assim cheia de luz me inspirou e encheu de felicidade. Hoje, ao olhar pela minha janela o que vejo é uma noite tranquila depois de dias de tempestade, um céu cheio de vida e energia quando as pensei adormecidas. Hoje a vida pode começar aqui...

Mais do mesmo na RGB

Ora bem, mais do mesmo... ontem à noite, ao ler a notícia de que Carlos Gomes Jr tinha sido libertado para a reunião com a CEDEAO, pensei que poderia não ser definitivo. Para quê o Golpe Militar se passados quatro dias eram libertados e tudo voltaria à normalidade? Achei estranho mas, como antes do cepticismo tento acreditar na Humanidade, assumi que poderia ter havido negociação. Pois não, o PM deposto foi mesmo detido após a reunião com a CEDEAO e os militares, ao estilo simpático, afável e democrático que os caracteriza já ameaçaram... just the same...
"ULTIMA HORA: Comando Militar proibe todas as manifestacoes e avisa que havera consequencias para quem desrespeitar a ordem. AAS"
e
"ULTIMA HORA: Comando Militar emite novo comunicado instando os guineenses para se absterem de manifestar, quer a favor quer contra. Avisam que qualquer violacao tera consequencias. AAS

mais em http://ditaduradoconsenso.blogspot.pt/

Grito de indignação...

O jornalista guineense, António Aly Silva, foi entretanto libertado depois de agredido publicamente. Uma manifestação pacífica foi dispersada de forma violenta provocando dois feridos, um em estado grave. As fronteiras - marítimas, aéreas e terrestres - foram fechadas. O recolher obrigatório mantém-se. O Primeiro-Ministro democraticamente eleito e o Presidente da República interino continuam detidos, sabe-se lá em que condições. Os militares continuam a dizer que não querem ascender ao poder e que procuram uma solução "pacífica" mas a violência associada ao reinado do medo parece fazer dos dias dos guineenses o hábito. A comunidade internacional (leia-se as organizações internacionais com capacidade de intervenção) parece manter-se cega, surda e muda como os três macaquinhos do conto infantil. Apetece-me gritar perante tamanho tolerância e passividade. Só valem a condenação e as ameaças porque as acções ficam para próximas núpcias. Não gosto de política e, para dizer a verda…

António Aly da SIlva, jornalista detido no meio da crise da Guiné-Bissau

Partilhem, por favor. Esperemos que não seja um dos últimos gritos desalentados mas sempre corajosos do António Aly da Silva. Ele merece ser posto em liberdade porque mais não fez do que alertar o Mundo inteiro, ou quem o tem seguido, dos riscos que a Guiné-Bissau sofre. Partilhem, divulguem. Pelo Facebook, pelos blogs, por onde puderem e conseguirem! O jornalista António Aly Silva foi preso esta manhã em Bissau, pouco depois de ter deixado no seu blogue DITADURA DO CONSENSO [http://ditaduradoconsenso.blogspot.pt/] este

"Apelo dramático à comunidade internacional"
[é devido também um apelo dramático paraque nada aconteça ao Aly e para que ele possa imediatamente ser restituído à liberdade. É PRECISO PARTILHAR ISTO!]

"Mais de um milhão de guineenses estão reféns de militares... guineenses. Temos sido sacudidos e violentados, usurpam e tolhem-nos os nossos direitos, até o mais básico. Até quando mais a comunidade internacional vai tolerar que gente medíocre - alguma classe po…

Exposição digital "O Desafio do Desenvolvimento" (Projecto Coerência.pt)

Imagem

Seminário Internacional "Alterações climáticas e repercussões sócio-ambientais"

Actualizações no site do Seminário Internacional "Alterações Climáticas e suas repercussões sócio-ambientais", São Tomé, Agosto 2012. Muita informação disponível para consulta: as actividades propostas estão delineadas; os formulários para inscrição com comunicação, para participação nas actividades e pedido de cartas-convite e declarações de aceitação estão disponíveis. Também a secção Recursos está introduzida, sendo ainda sujeita a mais complementos e actualizações.
E agora também o guia do participante do Seminário Internacional STP 2012

Second Call for papers - Seminário internacional "Alterações Climáticas e suas repercussões sócio-ambientais" - São Tomé e Príncipe, 20-23 Agosto 2012

Imagem
Second CALL FOR PAPERS (sorry for cross posting)Seminário internacional "Alterações Climáticas e suas repercussões sócio-ambientais" - São Tomé e Príncipe, 20-23 Agosto 2012De 20 a 23 de Agosto de 2012, realizar-se-á em São Tomé e Príncipe o Seminário Internacional sob o tema "Alterações Climáticas e suas repercussões sócio-ambientais". Esta é uma iniciativa que resulta de anteriores momentos de reflexão, sendo uma parceria entre a Direcção-Geral do Ambiente da República Democrática de São Tomé e Príncipe, o OBSERVARE, Observatório de Relações Exteriores da Universidade Autónoma de Lisboa (UAL), a Universidade de Santiago de Compostela (USC), o Centro de Extensión Universitaria e Divulgación Ambiental de Galicia (CEIDA), a Associação Portuguesa de Educação Ambiental (ASPEA), a Associação Internacional de Investigadores em Educação Ambiental (NEREA) e a MARAPA (Mar, Ambiente e Pesca Artesanal).As inscrições para participação com comunicação, em poster ou em oficinas…

Faz hoje 7 anos...

Hoje é, supostamente, um dia importante na minha vida. Faz hoje precisamente 7 anos que prestei provas públicas de Doutoramento, quando as inscrições se faziam por 5 anos. Portei-me bem e cumpri o prazo, entreguei a tese um mês antes do prazo e esperei 9 longos meses pela defesa. Os membros do júri estavam deslocalizados entre o Alentejo (Universidade de Évora), Minho (Universidade de Braga) e Lisboa (Universidade Autónoma de Lisboa, Universidade Lusófona e ISCTE), sendo que alguns viajavam e nem sempre estavam em Portugal. Foi, eventualmente, uma das melhores épocas da minha vida. Escolhi um tema prazenteiro - a relação entre o turismo ecológico e o desenvolvimento sustentável em África - e que, de facto, me deu muito mais prazer do que as angústias inerentes a este tipo de processos. O mais difícil acabou por ser o campo de estudo. Por razões que agora nem importa referir, todo o projecto foi elaborado a pensar em Moçambique, país que me inspirou para a problemática do turismo. Mas …

Livro - SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE - UM PARAÍSO SEM RUMO" por José Simões

Imagem
A apresentação do Livro "São Tomé e Príncipe - Um Paraíso sem rumo" de José Simões terá lugar na Casa da Beira Alta, no Porto, no próximo dia 18 de Fevereiro, pelas 16h. Um evento a não perder para quem estiver no Porto ou por lá perto.

Seminário Internacional "Alterações climáticas e repercussões sócio-ambientais"

Imagem
SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE 20-23 AGOSTO 2012
Call for papers