Bond: estarás in a better place...



Estou profundamente triste pela tua perda, Bond. Triste sobretudo pela forma como tudo aconteceu e com uma infinita mágoa com quem não cuidou de ti como precisavas e merecias. A tua vida terminou no Hospital Veterinário do Restelo. E as minhas impressões são as piores. Já eram antes porque tiveste o azar de andar por lá quando eras cachorro e tudo correu mal. Agora voltou a correr mesmo mal e só foste para lá porque o teu veterinário, que te acompanhou durante nove anos, incluindo três cirurgias, a última na véspera da tua passagem, me recomendou que era a melhor. 
O que se passou no espaço de tempo que não chegou a 36 horas foi simplesmente inenarrável, pelo menos, nesta altura, não consigo traduzir por palavras o que me passa na alma e aperta o coração. Perdi um amigo e antes já perdi muitos outros amigos de quatro patas. Todos tiveram o seu espaço no meu coração e todos foram muito especiais, pelo que a perda também sempre foi difícil de gerir. Mas, nesta altura, e depois do dia de ontem, mais do que simplesmente a perda de um cão que era muito importante para todos nós, o que maior mágoa causou foi a forma como foste destratado. Tu e nós. 
A odiosa e excessiva vertente comercial do Clínica Veterinária do Restelo, que parece existir apenas para cobrar sem que a assistência corresponda, em particular numa situação de urgência, a ausência de resposta eficaz, o total desconhecimento do veterinário que te acompanhou, que estava mais em branco e no vazio, agindo às apalpadelas para fazer o diagnóstico, do que qualquer uma de nós, o sentimento de engano permanente e sucessivo que durou horas infinitas, o confronto muito consciente da pouca importância que nestas ocasiões temos e a incapacidade de ir ao encontro da angústia que se sente perante um vazio total. Tudo foi vivido de forma desconcertante.
Como tive a oportunidade de dizer ao muito jovem veterinário que tiveste a infelicidade de conhecer, não sei se o problema foi apenas incompetência ou ignorância na forma de melhor cuidar, mas certamente que a atitude de vendedor de banha da cobra para quem tudo vale e serve com o simples objectivo de faturar umas boas centenas de euros perante a fragilidade alheia não foi a mais adequada para ninguém. Antes de chegarmos ao inferno que se revelou a Clinica Veterinária do Restelo, não sei se o enquadramento da cirurgia, supostamente bem sucedida, influenciou de alguma maneira o seguimento do teu estado. Para nós, o final da tua vida ficará envolto em incerteza e mistério, não sendo de todo claro o que aconteceu. A única coisa que é para mim clara é que me fazes falta. Uma falta indescritível, profunda, infinita. Muito verdadeira. Tu eras parte de mim e isso aquela gente não entenderá jamais porque tratarem de animais ou engraxarem sapatos é quase o mesmo. Tu eras o nosso amarelinho, o fuça, o pateta querido, o beiçolas, o Bondinho. Eras tu e isso era tudo! Fiel e dedicado, protector e companheiro, Amigo apaixonado.
Ao longo do dia, o cenário foi dantesco. Quiseram fazer-te uma transfusão quando tinhas os níveis da hemoglobina normais e não tinhas anemia… mas a ideia que me passaram foi que virias a precisar passadas duas horas; quiseram submeter-te a nova cirurgia desta vez ao abdómen porque supostamente estavas com hemorragias que podiam ser uma metástase hepática, mas não havia sangue. Quiseram saber se a hemorragia era “por cima ou por baixo”… sem que eu percebesse ao certo o que me perguntavam porque, na verdade, não havia nenhuma hemorragia… e o tempo foi passando. Não fizeste nada disso. Tinhas de ficar internado pelo menos 3 dias mas tiveste uma paragem ao fim de uma hora de eu ter saído. Precisavas de oxigénio, mas como era hora de visitas, terão retirado e iriam colocar depois de sairmos… Terás tido oxigénio em algum momento??? 
Peço desculpa, mas tenho todo o direito de questionar… de questionar tudo porque me senti ludibriada. Todas as soluções que me davam resultavam num simples aumento de custos. Com o coração como tinhas na altura, mais uma anestesia seria "fantástica" porque fulminante, mas teria de ser paga. Isto é roubo! Qualquer leigo perceberia que não tinhas nenhuma hemorragia nem condições para ser aberto. Tinhas o coração fraco mas o veterinário não questionou essa possibilidade...O coktail do dia anterior terá sido bombástico... anestesia prolongada e medicação em doses cavalares. 
Não foste bem tratado porque não recebeste os cuidados que necessitavas. Por desconhecimento e falta de experiência, por simples incompetência ou desinteresse. Não sei!!! A ideia que me passaram ao telefone foi que, perante a paragem cardíaca, a Clínica Veterinária do Restelo terá feito tudo para te salvar. Pois sim, pode ser… eles podem dizer o que quiserem e bem entenderem,  mas eu vi como estavas. Ninguém me contou. Cães monitorizados naquela sala???? É uma mentira pegada. Nenhum estava!… Eu vi…! Uma vergonha, numa clínica veterinária onde os cuidados são pagos a peso de ouro, onde se faz uma ecografia abdominal e um raio-x, mas não um electrocardiograma quando o coração estava a fraquejar? Onde se fazem análises de sangue a N coisas, mas não às funções cardíacas para despistar enfartes. Provavelmente foi o que tiveste. Quando o veterinário foi confrontado pela minha irmã que é médica, limitou-se a anuir, mas antes não colocou esta hipótese. Se neste processo não houve má fé, certamente houve incompetência.
Não, não estou satisfeita e não poderia estar quando me fazem quatro orçamentos diferentes ao longo do tempo em que ali estive, paguei um balúrdio e partiste. Nesta altura acredito que foi o melhor para ti, paraste de sofrer e estarás certamente num lugar melhor. Mas foi tão duro sentir que te perdia e que estava impotente para o que quer que fosse. Como poderia estar satisfeita? E a comunicação por telefone foi nestes termos: “É a dona do Bond? Ah… Olá, está boa? Pois não tenho boas notícias para si, o nosso amigo teve uma paragem, eu fiz tudo o que era possível para o reanimar mas ele não resistiu”. Como é????? “Ah… Olá, está boa?” para me dar a notícia da tua morte???? Não estava boa, não, e depois da conversa com ele menos fiquei, como deve ser óbvio para alguém que tem dois dedos de testa e sabe pensar com sensibilidade. O “nosso amigo”???? – será que não tem noção??? Não, não tem! Amigo é o que cuida, o que conhece, o que se dedica, o que não abandona! E aquela figura de bata verde passeou-se durante todo o tempo com um frasco de sangue supostamente teu, mas não cuidou de ti. Não foi teu amigo!
Talvez fosse a hora de partires, talvez não fosse possível estares mais tempo comigo e só posso agradecer pela oportunidade que tive de usufruir da tua alegria e amizade, da tua nobreza porque para mim, e para quem te tratou bem, foste um Amigo. Grande. Enorme. Com uma grandeza e nobreza tão grandes como muitos humanos não têm. Mas os funcionários desta Clínica não sabem o que são amigos e não sabem cuidar de animais, não são sensíveis e aproveitam a fragilidade dos donos para extorquir dinheiro porque é o que se faz ali. Aquela clínica existe para fazer dinheiro e é muito triste perceber que o dono é o bastonário da Ordem dos Veterinários. Pois não lhe fica bem nada disto!

Estou triste porque partiste fisicamente e a tua companhia faz-me falta, é certo, mas a mágoa que sinto é inenarrável, apenas porque neste processo ninguém te soube tratar, a minha sensação de impotência foi enorme. Infelizmente, os meus piores receios confirmaram-se – entraste mal, não tiveste o acompanhamento necessário e já não saíste. Este sentimento vai demorar a passar. Mas, uma coisa é certa: se eu tiver de aconselhar uma clínica veterinária a alguém posso não conseguir fazê-lo, mas por certo que desaconselharei vivamente a Clínica Veterinária do Restelo, onde a transparência não existe, não há competência, nem seriedade, nem respeito. Sobretudo, não há ética.
E tu, querido Bond, estarás agora num sítio melhor e em paz.

Mensagens populares deste blogue

O Tubarão de STP – I Parte

Calulu de Galinha, Pato ou Porco