Avançar para o conteúdo principal

Foi ontem

Foi ontem a inauguração da Exposição e nunca é demais lembrar que o objectivo é elevar o Arquipélago dos Bijagós na Guiné Bissau a Património Natural e Cultural Mundial da UNESCO.  

O que posso dizer da Exposição é que está bonita, podendo ver-se fotografias magníficas de locais inimaginados por serem lindíssimos, apreciar máscaras tradicionais usadas ainda nos dias de hoje em rituais de iniciação e festas tradicionais. Mas pode-se também falar com os voluntários, que sabem explicar tudo o que temos vontade de saber, observar trajes típicos como por exemplo a “saia bijagó”. À entrada somos recebidos por uma rapariga e um rapaz, vestidos de forma tradicional, que nos transportam de imediato daquela sala para bem longe, permitindo-nos viajar até ao arquipélago que pensamos ser apenas paisagem de filmes e documentários do “National Geographic” ou do “Odisea”. E afinal, tudo está tão mais perto do que imaginamos, bastando um voo até Bissau e daí uma passagem de barco para um dos 88 ilhéus, dos quais apenas 20 são habitadas, por um total de 20000 pessoas. Ali a vida é ancestral e marcada pelas crenças animistas, havendo espaços sagrados como a floresta e o mangal, mas também, dependendo das ilhas, animais intocáveis como a tartaruga, o tubarão ou o hipopótamo.

A inauguração contou ainda com uma festa no final, com a actuação (963773338) do Maio Coopé e do agrupamento musical Djumbai Djazz, levando os presentes a sentir os ritmos africanos e dando-nos a sensação de estarmos uma vez mais num mundo à parte, apesar da realidade ser o centro de Lisboa em hora de ponta.

A Exposição é imperdível para quem gosta de África e se preocupa tanto com o ambiente como com a vida comunitária. E, além de tudo o mais, aquele arquipélago é um bem da Guiné Bissau e do Mundo inteiro, ou seja de nós todos.

Passem por lá e divulguem!

Museu Nacional de História Natural na Rua da Escola Politécnica, nº 58 em Lisboa. (Tf: 213921824), de 2ª a 6ª das 10h às 13h e das 14h às 17h; sábado das 15h às 18h.

Mensagens populares deste blogue

Calulu de Galinha, Pato ou Porco

Este post é dedicado à Helena, uma variação do Calulu de Peixe. Proponho a versão de carne que na minha opinião é incomparavelmente melhor. Uma refeição para preparar com tempo e calma, "leve-leve só", para saborear na tranquilidade de uma boa companhia.Recebi agora mais uma informação interessante - na língua local, não se diz Calulu mas sim Cálu ou Kalu, pelo que o termo que utilizamos (e que sempre ouvi em STP) será uma africanização/aportuguesamento absolutamente desnecessária (Obrigada, amigo Alcídio).Receita de CALULU DE GALINHA, PATO OU PORCO, gentilmente cedida por D. Alcinda Lombá (e transmitida pelo Paco)Ingredientes
Galinha, ou pato ou carne de porco fumada);
Folhas (ponto, maquêquê, galo, ótage, olho de folha de goiabeira, quimi, margoso, mesquito, mússua, damina, matrussu, tartaruga...);
óleo de palma;
beringela;
quiabo;
cebola;
tomate;
pau de pimenta;
óssame;
fruta pão;
farinha de mandioca;
Modo de preparação
Picar as folhas todas e em pedaços pequenos (opcional moer ou ama…

O Tubarão de STP – I Parte

Depois de ter regressado a Lisboa, após a minha última incursão a São Tomé, não há dia em que não me lembre das maravilhas do arquipélago, das suas particularidades, as mais apelativas e as outras... que representam riscos, mas que, por essa mesma razão, têm também o seu “quê” de sedução.
O tubarão de São Tomé é uma dessas particularidades, à volta do qual se tecem considerações, se contam histórias e se criam mitos, a maioria sem certezas. Sempre ouvi falar muito acerca do tubarão e nem sei porquê, talvez por ser um animal pouco simpático, que não permite grandes contactos com o Homem e que, apesar de tudo, existe em grande quantidade por aquelas águas. A maioria revelava desconhecimento sobre tipos e quantidade, principais riscos e ameaças, número de ataques e praias onde aparecem mais frequentemente. Mas as conversas evidenciavam sobretudo medo e desconforto. Havia quem: tivesse terror de o encontrar; dissesse já o ter avistado numa passagem de ano no pontão do Marlin, que era inof…