Avançar para o conteúdo principal

Guiné Bissau: quinta parte

O trabalho começou de imediato, o que foi bom. Afinal era mesmo para isso que eu ali estava. O ritmo foi intenso, não dando grande margem para parar e pensar, a não ser à noite após o jantar quando ficava na conversa com a Didi. Todos os que estavam envolvidos nesta fase do estudo, o trabalho de campo, corresponderam ao máximo das minhas expectativas, o que me deixou surpreendida, no bom sentido do termo entenda-se. Posso até dizer que por ter percebido que o envolvimento de todos era grande, bem como a vontade de atingir os objectivos que eu lhes propusera, aproveitei todas as potencialidades do “meu grupo”.

Encontrei pessoas interessadas e interessantes, disponíveis, sempre prontas a cumprir com as metas e a ultrapassar as dificuldades que iam surgindo. A frase que mais se ouvia e que passou a lema foi “não tem problema”, e na verdade era mesmo assim que eles pensavam, tudo tem uma solução. Trabalhei com o Leandro e o Armando, o Adelino e o Simôncio, o Flaviano e o Neto. A todos fica o meu agradecimento, pelo esforço e competência, pela dedicação e cuidado, pelo companheirismo e bom ambiente que permitiram em qualquer situação, particularmente nos momentos mais stressantes em que o medo me fez companhia. Nestas alturas, olhava-os e eles sorriam dizendo “Brígida, não tem problema, é normal”. Eu retribuía o sorriso mas não pensava como eles. Para o trabalho faltou-me um sector, o Cacheu, e foi pena porque gostaria de os ter conhecido também pessoalmente. Enfim, aguardei por eles dois dias mas, face à ausência de comunicação e de justificação, decidi alterar alguns dos pressupostos que definira e partir para o terreno com os presentes, avançando com o trabalho que era possível realizar.

O que este trabalho me permitiu de melhor foi a aquisição de experiência e de conhecimentos sobre a vida real das famílias nas tabancas. Aqueles são locais únicos, riquíssimos do ponto de vista humano, social e relacional, onde as pessoas mais do que viver, muitas vezes sobrevivem, sabe-se lá de que forma porque o que têm é tão pouco que nos custa a acreditar como ainda é possível sorrirem. A verdade é que o sorriso também não é uma expressão fácil para aquelas gentes, sejam crianças, jovens adultos, adultos ou velhos, homens ou mulheres. Os olhos são tristes e curiosos mas tímidos e a aproximação nem sempre é rápida como noutras regiões africanas que tão bem conheço.

Mensagens populares deste blogue

Calulu de Galinha, Pato ou Porco

Este post é dedicado à Helena, uma variação do Calulu de Peixe. Proponho a versão de carne que na minha opinião é incomparavelmente melhor. Uma refeição para preparar com tempo e calma, "leve-leve só", para saborear na tranquilidade de uma boa companhia.Recebi agora mais uma informação interessante - na língua local, não se diz Calulu mas sim Cálu ou Kalu, pelo que o termo que utilizamos (e que sempre ouvi em STP) será uma africanização/aportuguesamento absolutamente desnecessária (Obrigada, amigo Alcídio).Receita de CALULU DE GALINHA, PATO OU PORCO, gentilmente cedida por D. Alcinda Lombá (e transmitida pelo Paco)Ingredientes
Galinha, ou pato ou carne de porco fumada);
Folhas (ponto, maquêquê, galo, ótage, olho de folha de goiabeira, quimi, margoso, mesquito, mússua, damina, matrussu, tartaruga...);
óleo de palma;
beringela;
quiabo;
cebola;
tomate;
pau de pimenta;
óssame;
fruta pão;
farinha de mandioca;
Modo de preparação
Picar as folhas todas e em pedaços pequenos (opcional moer ou ama…

O Tubarão de STP – I Parte

Depois de ter regressado a Lisboa, após a minha última incursão a São Tomé, não há dia em que não me lembre das maravilhas do arquipélago, das suas particularidades, as mais apelativas e as outras... que representam riscos, mas que, por essa mesma razão, têm também o seu “quê” de sedução.
O tubarão de São Tomé é uma dessas particularidades, à volta do qual se tecem considerações, se contam histórias e se criam mitos, a maioria sem certezas. Sempre ouvi falar muito acerca do tubarão e nem sei porquê, talvez por ser um animal pouco simpático, que não permite grandes contactos com o Homem e que, apesar de tudo, existe em grande quantidade por aquelas águas. A maioria revelava desconhecimento sobre tipos e quantidade, principais riscos e ameaças, número de ataques e praias onde aparecem mais frequentemente. Mas as conversas evidenciavam sobretudo medo e desconforto. Havia quem: tivesse terror de o encontrar; dissesse já o ter avistado numa passagem de ano no pontão do Marlin, que era inof…