Avançar para o conteúdo principal

Locais secretos e encantados ou pequenos paraísos à beira mar

“É bom termos locais secretos, que nos são familiares porque confortáveis, bonitos e que nos provocam a sensação de apaziguamento com o Mundo e com a Vida, que conhecemos bem e que não divulgaríamos por nada, simplesmente porque sabemos que em certas alturas precisamos deles só para nós”, pensava ao observar a paisagem que tinha diante de si.

Há muito que passava por aquele local à beira mar e, sem saber explicar porquê, entendia-o como o seu espaço. Para dizer a verdade, tinha o hábito de passear longamente por ali, ora acompanhada ora sozinha, ouvindo o som do mar e sentindo o sol nas costas a aquecer-lhe a alma. Aquele era um dos seus passeios preferidos, principalmente entre o Outono e a Primavera. O mar estava já ali, aos seus olhos e mesmo à mão, podia vê-lo, tocar-lhe, sentir tanto a frescura revitalizante nos dias tranquilos como nos períodos de agitação e turbulência, e gostava de se descalçar para receber as energias positivas e revigorantes que o Neptuno lhe proporcionava, pelo contacto entre a pele e a água.

“A natureza é fantástica”, repetia infinitas vezes e sem se cansar, e era nas épocas menos veraneantes que ela mais o sentia, até nos dias invernosos, com frio e alguma chuva, quando o mar dançava saltitando para junto de todos os que o provocavam, nem que fosse com o olhar ou um gracejo. Ali havia dias assim, em que o mar estava zangado e rezingão, na terra com os homens, e no Olimpo com os deuses. Mas nem nesses dias a beleza diminuía e sabia-lhe sempre muito bem uma caminhada junto à imensidão de água que tinha tanto de misterioso como de inspirador.

No Verão toda a região era invadida por milhares de pessoas, em busca do clima abrigado e da proximidade dos centros para ir a banhos, e as caminhadas pela beira mar tornavam-se cansativas, menos apelativas e menos sedutoras. Mas naquele dia, lembrou-se que, ao longo de toda a costa, havia um ou outro sítio onde se sentiria bem. E foi assim que descobriu mais um local secreto e encantado, um pequenino paraíso à beira-mar onde as ondas estão em sintonia perfeita com as rochas, onde tudo é harmonioso e reconfortante.

Mensagens populares deste blogue

Calulu de Galinha, Pato ou Porco

Este post é dedicado à Helena, uma variação do Calulu de Peixe. Proponho a versão de carne que na minha opinião é incomparavelmente melhor. Uma refeição para preparar com tempo e calma, "leve-leve só", para saborear na tranquilidade de uma boa companhia.Recebi agora mais uma informação interessante - na língua local, não se diz Calulu mas sim Cálu ou Kalu, pelo que o termo que utilizamos (e que sempre ouvi em STP) será uma africanização/aportuguesamento absolutamente desnecessária (Obrigada, amigo Alcídio).Receita de CALULU DE GALINHA, PATO OU PORCO, gentilmente cedida por D. Alcinda Lombá (e transmitida pelo Paco)Ingredientes
Galinha, ou pato ou carne de porco fumada);
Folhas (ponto, maquêquê, galo, ótage, olho de folha de goiabeira, quimi, margoso, mesquito, mússua, damina, matrussu, tartaruga...);
óleo de palma;
beringela;
quiabo;
cebola;
tomate;
pau de pimenta;
óssame;
fruta pão;
farinha de mandioca;
Modo de preparação
Picar as folhas todas e em pedaços pequenos (opcional moer ou ama…

O Tubarão de STP – I Parte

Depois de ter regressado a Lisboa, após a minha última incursão a São Tomé, não há dia em que não me lembre das maravilhas do arquipélago, das suas particularidades, as mais apelativas e as outras... que representam riscos, mas que, por essa mesma razão, têm também o seu “quê” de sedução.
O tubarão de São Tomé é uma dessas particularidades, à volta do qual se tecem considerações, se contam histórias e se criam mitos, a maioria sem certezas. Sempre ouvi falar muito acerca do tubarão e nem sei porquê, talvez por ser um animal pouco simpático, que não permite grandes contactos com o Homem e que, apesar de tudo, existe em grande quantidade por aquelas águas. A maioria revelava desconhecimento sobre tipos e quantidade, principais riscos e ameaças, número de ataques e praias onde aparecem mais frequentemente. Mas as conversas evidenciavam sobretudo medo e desconforto. Havia quem: tivesse terror de o encontrar; dissesse já o ter avistado numa passagem de ano no pontão do Marlin, que era inof…