Avançar para o conteúdo principal

À Noite no Passante

O Passante permanece placidamente sereno e tropical, enquanto como uma tosta mista e bebo uma coca cola, fugindo às recomendações, de que fosse sem gelo e sem limão. Mas com este calor uma coca cola sem gelo e limão saberia simplesmente a água choca açucarada, por isso que seja o que Deus quiser.
A minha frugal refeição é alegrada pela música que se vai fazendo ouvir, crioula e bem ritmada, misturando-se com o som das ondas a bater no paredão ao rebentarem.
“Yoyoyoyoyoyoyo... yoyoyááááááááá” vai-se ouvindo, intercalado por batidas quentes e apelativas, convidando para um kizomba bem colado. Mas àquela hora – do mosquito – não há pares que queiram dançar e mesmo que os houvesse, eu não dançaria. Não por não gostar mas... sei lá eu... A minha fraca experiência de vida diz-me para ser cautelosa nas escolhas e nas danças. Há quem diga que a dança é uma frustração sexual - uma tentativa de sexo com quem nunca se terá. E as danças africanas são exímias. Por isso... mesmo que me aparecesse à frente o maior dançarino do Mundo a ensinar passos novos, o sedutor mais irresistível com uma conversa desconhecida ou o amante mais prodigioso a propor-me o que mais me agrada... naquela altura, eu resistiria. Não por falta de vontade mas por medo de voltar a viver tudo outra vez. Tudo o que não foi bom...
As músicas que vou ouvindo falam da saudade sentida pelos amantes, apelando ao retorno, tal como as ondas, levando e trazendo água nova misturada com a velha, limpa e suja, sem que seja possível distingui-las, criando um mesclado de sentimentos e de colorações.
E eu... penso em ti, na forma como me entreguei, sem que o merecesses, sem que tivesses a capacidade de apreciar; na incompletude do que senti, nas emoções que ficaram por realizar; numa África tão diferente desta que se me apresenta ligeirinha, suave e adocicada, aquela que eu queria e não esta onde vim parar, por vontade própria, por medo de voltar à outra, onde tu estavas, e de te reencontrar. Vens-me ao pensamento a toda a hora. Que é de ti?
E eu, que nem gosto de coca cola, dou comigo a pensar no quanto esta bebida me soube bem – fresca e borbulhante – permitindo-me novas sensações, fazendo-me pensar na possibiliadde de renovação. Afinal já lá vai tanto tempo... e eu continuei presa a uma imagem, que já não sei mais se é real ou fictícia, mas tão negativa, que me fez tanto mal... E porquê???

Sabes o que te diria se te visse? Que venha o futuro, um futuro diferente do presente e do passado, pelo qual eu tanto anseio e que me dou ao luxo de pensar que mereço. Que me permita renascer numa nova África, esquecendo a antiga...
Na minha primeira viagem a São Tomé, 2000

Mensagens populares deste blogue

Calulu de Galinha, Pato ou Porco

Este post é dedicado à Helena, uma variação do Calulu de Peixe. Proponho a versão de carne que na minha opinião é incomparavelmente melhor. Uma refeição para preparar com tempo e calma, "leve-leve só", para saborear na tranquilidade de uma boa companhia.Recebi agora mais uma informação interessante - na língua local, não se diz Calulu mas sim Cálu ou Kalu, pelo que o termo que utilizamos (e que sempre ouvi em STP) será uma africanização/aportuguesamento absolutamente desnecessária (Obrigada, amigo Alcídio).Receita de CALULU DE GALINHA, PATO OU PORCO, gentilmente cedida por D. Alcinda Lombá (e transmitida pelo Paco)Ingredientes
Galinha, ou pato ou carne de porco fumada);
Folhas (ponto, maquêquê, galo, ótage, olho de folha de goiabeira, quimi, margoso, mesquito, mússua, damina, matrussu, tartaruga...);
óleo de palma;
beringela;
quiabo;
cebola;
tomate;
pau de pimenta;
óssame;
fruta pão;
farinha de mandioca;
Modo de preparação
Picar as folhas todas e em pedaços pequenos (opcional moer ou ama…

O Tubarão de STP – I Parte

Depois de ter regressado a Lisboa, após a minha última incursão a São Tomé, não há dia em que não me lembre das maravilhas do arquipélago, das suas particularidades, as mais apelativas e as outras... que representam riscos, mas que, por essa mesma razão, têm também o seu “quê” de sedução.
O tubarão de São Tomé é uma dessas particularidades, à volta do qual se tecem considerações, se contam histórias e se criam mitos, a maioria sem certezas. Sempre ouvi falar muito acerca do tubarão e nem sei porquê, talvez por ser um animal pouco simpático, que não permite grandes contactos com o Homem e que, apesar de tudo, existe em grande quantidade por aquelas águas. A maioria revelava desconhecimento sobre tipos e quantidade, principais riscos e ameaças, número de ataques e praias onde aparecem mais frequentemente. Mas as conversas evidenciavam sobretudo medo e desconforto. Havia quem: tivesse terror de o encontrar; dissesse já o ter avistado numa passagem de ano no pontão do Marlin, que era inof…