Avançar para o conteúdo principal

Noite de Consoada

Consoada familiar e tranquila. Regresso a casa com a habitual passagem pelas ruas da Baixa para ver as iluminações e escolher a mais bonita rua de Lisboa. Um ritual que me acompanha desde que me lembro de ser gente. As ruas estão aparentemente desertas e as iluminações tentam dar cor e vida à cidade que parece deserta. Só parece porque os "sem abrigo" continuam por ali. Ao sair da casa que foi da avó e hoje é da tia onde sempre se passou a noite de 24, o coração aperta ao ver que as carrinhas da Comunidade Vida e Paz também circulam por ali, estando uma parada na Praça da Figueira e outra no Rossio. E isto tem dois significados: um desolador e outro espantoso. O primeiro diz-me que, de facto, a cidade continua a ter pessoas que vivem na rua - cada vez mais - e que não são apenas adictos ou desestruturados. São pessoas que perderam muito, quase tudo. Quase porque continuam com vontade de viver mesmo sem ter a possibilidade de apreciar o brilho das luzes, as cores ou o movimento das ruas. Pessoas que um dia foram como eu e que hoje não têm Natal, que tudo o que desejam é ter um sítio quentinho para dormir e que por isso se deitam em cima das grelhas de respiração do Metro. E ali estão uns quantos deitados no cartão que colocaram na grelha e outros que se aproximam de quem lhes pode dar o conforto de uma palavra, um copo de leite quente ou uma sandes. Aperta o coração. O significado espantoso é que, para que a carrinha circule e possa confortar na mínima proporção os que não têm qualquer conforto, há equipas de 4 a 5 pessoas que deixam de ter consoada, saem do conforto das casas da família e afastam-se das lareiras para passarem uma noite de reencontros gratificantes com quem nada tem, nada espera e agradece tudo. Acabámos por parar na Praça da Figueira e entregámos o que horas antes planeámos em excesso: um bolo rei, uma caixa de broas e outra de sonhos de leite. Não foi uma acção extraordinária de abnegação porque nada do que demos nos fazia falta e representou apenas numa migalha do que poderíamos ter feito naquela noite. Mas ajudou-me a perceber que gostava de regressar às equipas de distribuição de alimentos e conforto das quais fiz parte há tantos anos... 91...? 92...? Pensar que tantas e tantas vezes temos em excesso e que poderíamos partilhar... Pensar que com um sorriso e uma palavra podemos melhorar a noite desassossegada de quem dorme na rua... Dá vontade de regressar àquelas equipas... 

Mensagens populares deste blogue

Calulu de Galinha, Pato ou Porco

Este post é dedicado à Helena, uma variação do Calulu de Peixe. Proponho a versão de carne que na minha opinião é incomparavelmente melhor. Uma refeição para preparar com tempo e calma, "leve-leve só", para saborear na tranquilidade de uma boa companhia.Recebi agora mais uma informação interessante - na língua local, não se diz Calulu mas sim Cálu ou Kalu, pelo que o termo que utilizamos (e que sempre ouvi em STP) será uma africanização/aportuguesamento absolutamente desnecessária (Obrigada, amigo Alcídio).Receita de CALULU DE GALINHA, PATO OU PORCO, gentilmente cedida por D. Alcinda Lombá (e transmitida pelo Paco)Ingredientes
Galinha, ou pato ou carne de porco fumada);
Folhas (ponto, maquêquê, galo, ótage, olho de folha de goiabeira, quimi, margoso, mesquito, mússua, damina, matrussu, tartaruga...);
óleo de palma;
beringela;
quiabo;
cebola;
tomate;
pau de pimenta;
óssame;
fruta pão;
farinha de mandioca;
Modo de preparação
Picar as folhas todas e em pedaços pequenos (opcional moer ou ama…

O Tubarão de STP – I Parte

Depois de ter regressado a Lisboa, após a minha última incursão a São Tomé, não há dia em que não me lembre das maravilhas do arquipélago, das suas particularidades, as mais apelativas e as outras... que representam riscos, mas que, por essa mesma razão, têm também o seu “quê” de sedução.
O tubarão de São Tomé é uma dessas particularidades, à volta do qual se tecem considerações, se contam histórias e se criam mitos, a maioria sem certezas. Sempre ouvi falar muito acerca do tubarão e nem sei porquê, talvez por ser um animal pouco simpático, que não permite grandes contactos com o Homem e que, apesar de tudo, existe em grande quantidade por aquelas águas. A maioria revelava desconhecimento sobre tipos e quantidade, principais riscos e ameaças, número de ataques e praias onde aparecem mais frequentemente. Mas as conversas evidenciavam sobretudo medo e desconforto. Havia quem: tivesse terror de o encontrar; dissesse já o ter avistado numa passagem de ano no pontão do Marlin, que era inof…