Avançar para o conteúdo principal

Déjà vu...

Há alturas em que, qual Lei de Murphy, tudo o que tem de acontecer... acontece!!! As condições astrais parecem encontrar-se e, de forma bem cuidada, tornam os dias de uma pessoa numa sucessão de acontecimentos pouco felizes. O meu pé esquerdo voltou a sofrer os percalços e o desconforto de quem não vê por onde anda, fazendo relembrar momentos e vivências de STP, algures em Janeiro de 2003. Tinha acabado de regressar de Lisboa, após o Natal passado em família como é hábito e manda a tradição. Convidaram-me para ir fazer uma prospecção de um novo percurso de caminhadas no norte da ilha, bem no meio da floresta e eu aceitei contente e feliz porque era mesmo para isso que lá estava. A correr fui até casa buscar umas botas de borracha, para reduzir os riscos de um encontro com uma ou outra cobra preta. E sempre correndo coloquei mal o pé na borda de um passeio onde tinha havido uma obra e que não ficara concluída, e, truz catrapus, lá fui parar ao chão para deleite de alguns santomenses que arranjavam quase eternamente o telhado do que viria a ser o edifício de espaço comum no bairro. Além de ter rasgado as calças, senti o pé inchar rapidamente e, ao olhá-lo, percebi que o cenário não era brilhante pois a pele estava já arroxeada.
Depois de tudo acabei por não conseguir andar, pelo que a possibilidade de realizar aquela caminhada virava sonho. O dia foi passado com gelo, recordo-me como se fosse hoje e, ao chegar à noite, tinha o pé num trambolho tão grande e com tão mau aspecto que lá fui ao Hospital ter com um médico português que lá prestava serviço e que conhecia há algum tempo. O diagnóstico não poderia ser mais animador: gesso ou internamento para manter o pé quieto e inactivo. A sensação que tive foi a de que durante três longuíssimas semanas o tempo pararia e a minha permanência não fazia qualquer sentido, sobretudo por não haver sequer canadianas disponíveis, nem pagando. Tudo acabou por se organizar, todos me convenceram a ficar e produziram umas muletas bem artesanais que resolveram o problema na altura.
Ontem, inexplicavelmente, tive a estranha sensação de déjà vu porque, uma vez mais, a dor voltou depois de colocar mal o pé num desnível de alcatrão, o pé voltou a inchar e eu lá fui fazer radiografias. Desta vez não saí de gesso mas com uma nova aparelhagem que me obriga a manter o pé quieto e imobilizado. E assim vou andar de novo durante 3 semanas, intercalando com a perna esticada em cima de uma cadeira para descansar. Diagnóstico...?! Pois foi ruptura dos ligamentos da articulação entre o perónio e a tíbia. Pode até parecer estranho, já que aparentemente tudo se passa junto ao tornozelo enquanto o perónio e a tíbia ficam mais para cima. Mas, ao que parece, é mesmo assim...!

Mensagens populares deste blogue

Calulu de Galinha, Pato ou Porco

Este post é dedicado à Helena, uma variação do Calulu de Peixe. Proponho a versão de carne que na minha opinião é incomparavelmente melhor. Uma refeição para preparar com tempo e calma, "leve-leve só", para saborear na tranquilidade de uma boa companhia.Recebi agora mais uma informação interessante - na língua local, não se diz Calulu mas sim Cálu ou Kalu, pelo que o termo que utilizamos (e que sempre ouvi em STP) será uma africanização/aportuguesamento absolutamente desnecessária (Obrigada, amigo Alcídio).Receita de CALULU DE GALINHA, PATO OU PORCO, gentilmente cedida por D. Alcinda Lombá (e transmitida pelo Paco)Ingredientes
Galinha, ou pato ou carne de porco fumada);
Folhas (ponto, maquêquê, galo, ótage, olho de folha de goiabeira, quimi, margoso, mesquito, mússua, damina, matrussu, tartaruga...);
óleo de palma;
beringela;
quiabo;
cebola;
tomate;
pau de pimenta;
óssame;
fruta pão;
farinha de mandioca;
Modo de preparação
Picar as folhas todas e em pedaços pequenos (opcional moer ou ama…

O Tubarão de STP – I Parte

Depois de ter regressado a Lisboa, após a minha última incursão a São Tomé, não há dia em que não me lembre das maravilhas do arquipélago, das suas particularidades, as mais apelativas e as outras... que representam riscos, mas que, por essa mesma razão, têm também o seu “quê” de sedução.
O tubarão de São Tomé é uma dessas particularidades, à volta do qual se tecem considerações, se contam histórias e se criam mitos, a maioria sem certezas. Sempre ouvi falar muito acerca do tubarão e nem sei porquê, talvez por ser um animal pouco simpático, que não permite grandes contactos com o Homem e que, apesar de tudo, existe em grande quantidade por aquelas águas. A maioria revelava desconhecimento sobre tipos e quantidade, principais riscos e ameaças, número de ataques e praias onde aparecem mais frequentemente. Mas as conversas evidenciavam sobretudo medo e desconforto. Havia quem: tivesse terror de o encontrar; dissesse já o ter avistado numa passagem de ano no pontão do Marlin, que era inof…