Avançar para o conteúdo principal

De Fórum "Rádios Comunitárias" a Comunidade de Prática

No próximo dia 15 de Maio vamos dar início a um debate sobreO Papel das Rádios Comunitárias na luta contra a exclusão social, que terá lugar no âmbito do CIARIScommunity. Esta é uma iniciativa conjunta do Projecto “Estratégias e Técnicas de luta contra a Exclusão Social e a Pobreza”, STEP/Portugal, executado pelo Bureau Internacional do Trabalho (BIT) e financiado pelo Governo Português, da Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné Bissau (RENARC) e do Centro de Estudos Africanos do ISCTE (CEA), no âmbito das actividades do site web Inclusão Social nos PALOP e do Centro Informático de Aprendizagem e de Recursos para a Inclusão Social – CIARIS.

Em alguns países africanos, em particular nas regiões mais isoladas e marcadas pela ruralidade, as Rádios Comunitárias representam hoje um dos principais meios promotores de inclusão social, pelo incentivo à participação e ao envolvimento de todos, à comunicação, à interacção, à valorização da vida comunitária e à criação de novas oportunidades. 

Esta iniciativa revela-se manifestamente inovadora, já que, mais do que um Fórum de debates, pretende criar-se uma comunidade de aprendizagem e de prática que tenha continuidade ao longo do tempo, e onde possam ser partilhadas experiências, colocadas dúvidas para esclarecimento, apresentadas dificuldades e divulgadas práticas bem sucedidas, mas também disponibilizados recursos, tais como documentos para leitura e reflexão, links e sites de interesse relacionados com o tema, informação sobre eventos e encontros futuros, sem esquecer a sistematização dos resultados de encontros anteriores, como são os exemplos do “Atelier sobre Rádios Comunitárias e Rurais” (Cabo Verde, 2002), ou do “1º Encontro de Rádios Comunitárias da CPLP” (Guiné Bissau, Março de 2006).

Com o CIARIScommunity Rádios Comunitárias procura criar-se um local de encontro e de troca de experiências, onde a aprendizagem possa se privilegiada, reduzindo as distâncias e valorizando as práticas que têm sido prosseguidas nos diferentes países.

Também com a preocupação de recolher o máximo de experiências e de conseguir um debate animado, contamos com a participação de todos, porque só assim conseguiremos alcançar os objectivos a que nos propomos. Este é um espaço de todos nós que será construído com o vosso apoio ao longo do tempo.

Para efectuarem o vosso registo, deverão aceder aqui e efectuar o registo. No menu do lado direito do ecran encontram campo para preenchimento de Login e para criação de uma nova conta. Ao clicarem no link aparecerá uma página de registo. Seleccionem a opção “registe-se” e preencham os dados solicitados.

Após o registo, podem ir tomando contacto com a plataforma informática, nomeadamente consultando o texto introdutório, os links e os recursos que já se encontram disponíveis, a página relativa aos moderadores e convidados especiais. Toda esta informação está acessível através dos links que se encontram no menu do lado direito, na secção Rádios Comunitárias. Para mais informações sobre o funcionamento da plataforma, consultem o Guia de utilização, acessível no menu superior.

Apareçam participem! E... já agora DIVULGUEM, por favor.

 

Mensagens populares deste blogue

Calulu de Galinha, Pato ou Porco

Este post é dedicado à Helena, uma variação do Calulu de Peixe. Proponho a versão de carne que na minha opinião é incomparavelmente melhor. Uma refeição para preparar com tempo e calma, "leve-leve só", para saborear na tranquilidade de uma boa companhia.Recebi agora mais uma informação interessante - na língua local, não se diz Calulu mas sim Cálu ou Kalu, pelo que o termo que utilizamos (e que sempre ouvi em STP) será uma africanização/aportuguesamento absolutamente desnecessária (Obrigada, amigo Alcídio).Receita de CALULU DE GALINHA, PATO OU PORCO, gentilmente cedida por D. Alcinda Lombá (e transmitida pelo Paco)Ingredientes
Galinha, ou pato ou carne de porco fumada);
Folhas (ponto, maquêquê, galo, ótage, olho de folha de goiabeira, quimi, margoso, mesquito, mússua, damina, matrussu, tartaruga...);
óleo de palma;
beringela;
quiabo;
cebola;
tomate;
pau de pimenta;
óssame;
fruta pão;
farinha de mandioca;
Modo de preparação
Picar as folhas todas e em pedaços pequenos (opcional moer ou ama…

O Tubarão de STP – I Parte

Depois de ter regressado a Lisboa, após a minha última incursão a São Tomé, não há dia em que não me lembre das maravilhas do arquipélago, das suas particularidades, as mais apelativas e as outras... que representam riscos, mas que, por essa mesma razão, têm também o seu “quê” de sedução.
O tubarão de São Tomé é uma dessas particularidades, à volta do qual se tecem considerações, se contam histórias e se criam mitos, a maioria sem certezas. Sempre ouvi falar muito acerca do tubarão e nem sei porquê, talvez por ser um animal pouco simpático, que não permite grandes contactos com o Homem e que, apesar de tudo, existe em grande quantidade por aquelas águas. A maioria revelava desconhecimento sobre tipos e quantidade, principais riscos e ameaças, número de ataques e praias onde aparecem mais frequentemente. Mas as conversas evidenciavam sobretudo medo e desconforto. Havia quem: tivesse terror de o encontrar; dissesse já o ter avistado numa passagem de ano no pontão do Marlin, que era inof…