Avançar para o conteúdo principal

Por causa do inverno...

Por causa do frio ligamos aquecimentos e todo o tipo de aparelhos possível e imaginário, de forma a criarmos um ambiente confortável. Por causa do frio, vestimos roupas quentes e enroscamo-nos em cobertores, mantas e edredons. E porque nunca é suficiente, por causa do frio aquecemos água e, depois de ferver, enchemos sacos de borracha para que, durante a noite, os pés se mantenham quentes e o sono seja apaziguador e reconfortante.

Pois é, e por causa do frio, mais ou menos há um ano liguei o ar condicionado no calor, e o aparelho pegou fogo, o que resultou numa sessão de oxigénio na ambulância dos bombeiros e numa carga de trabalhos nos meses sequentes, com visitas de peritos de companhias de seguros, orçamentos, obras e limpezas. As sessões prolongaram-se e a casa só ficou mais ou menos pronta no Outono. Foi um estrafego impossível de esquecer!

Mas para que não me esqueça das venturas e desventuras do Inverno, há dois dias, num dos picos de frio do ano, preparava-me para encher os sacos de água quente e, com a água bem fervente, em linguagem culinária em cachão, entorno uma boa quantidade, qb, em cima da mão de forma a deixar uma boa parte bem queimada, vermelha e dorida. A sorte foi ter tido rapidez nos reflexos e puxado a manga igualmente molhada para cima, aliviando o pulso e o início do braço. E depois, o tratamento foi imediato e não deu tempo para criar bolhas. Apesar disso estou com os movimentos reduzidos, não posso conduzir e escrever com papel e caneta é uma aventura. A mão direita está empapada num creme cicatrizante, compressas embebidas em soro fisiológico e ligada. E eu ando por aqui e por ali com um ar de infeliz...

Mensagens populares deste blogue

Calulu de Galinha, Pato ou Porco

Este post é dedicado à Helena, uma variação do Calulu de Peixe. Proponho a versão de carne que na minha opinião é incomparavelmente melhor. Uma refeição para preparar com tempo e calma, "leve-leve só", para saborear na tranquilidade de uma boa companhia.Recebi agora mais uma informação interessante - na língua local, não se diz Calulu mas sim Cálu ou Kalu, pelo que o termo que utilizamos (e que sempre ouvi em STP) será uma africanização/aportuguesamento absolutamente desnecessária (Obrigada, amigo Alcídio).Receita de CALULU DE GALINHA, PATO OU PORCO, gentilmente cedida por D. Alcinda Lombá (e transmitida pelo Paco)Ingredientes
Galinha, ou pato ou carne de porco fumada);
Folhas (ponto, maquêquê, galo, ótage, olho de folha de goiabeira, quimi, margoso, mesquito, mússua, damina, matrussu, tartaruga...);
óleo de palma;
beringela;
quiabo;
cebola;
tomate;
pau de pimenta;
óssame;
fruta pão;
farinha de mandioca;
Modo de preparação
Picar as folhas todas e em pedaços pequenos (opcional moer ou ama…

O Tubarão de STP – I Parte

Depois de ter regressado a Lisboa, após a minha última incursão a São Tomé, não há dia em que não me lembre das maravilhas do arquipélago, das suas particularidades, as mais apelativas e as outras... que representam riscos, mas que, por essa mesma razão, têm também o seu “quê” de sedução.
O tubarão de São Tomé é uma dessas particularidades, à volta do qual se tecem considerações, se contam histórias e se criam mitos, a maioria sem certezas. Sempre ouvi falar muito acerca do tubarão e nem sei porquê, talvez por ser um animal pouco simpático, que não permite grandes contactos com o Homem e que, apesar de tudo, existe em grande quantidade por aquelas águas. A maioria revelava desconhecimento sobre tipos e quantidade, principais riscos e ameaças, número de ataques e praias onde aparecem mais frequentemente. Mas as conversas evidenciavam sobretudo medo e desconforto. Havia quem: tivesse terror de o encontrar; dissesse já o ter avistado numa passagem de ano no pontão do Marlin, que era inof…