Avançar para o conteúdo principal

Venturas e desventuras do meu Bogas

O meu Bogas está velhote e, nem por isso, gosto menos dele. Há carros assim, que nos marcam e com os quais ganhamos afectividade, humanizando-os um pouco. O meu Bogas tem-se portado bem e não me tem dado grandes problemas até à data. Há uns dias começou a fazer um barulhinho muito pouco simpático que eu, não percebendo nada de mecânica, achava que era simplesmente o tubo de escape roto. Não me preocupei muito, sabendo que tinha de lhe tratar daquela ferida, da qual ele se tinha começado a queixar. Mas como não pensei que fosse nada de grave, deixei a coisa andar um dia, e mais outro, e outro mais... conclusão, ontem, pela manhã, ia na A5 a caminho de Lisboa, porque tinha um dia de reuniões importantes e, como quase sempre nestes dias, qualquer coisa aconteceu.

Ouvi um barulho, como que de uma peça a cair, parei de imediato na berma, fui ver e... lá estava o tubo no chão. Brilhante, pensei. Saí vesti o coletinho verde, como cidadã cívica, e fui colocar o triângulo a uma distância que pensei ser a adequada, mas na berma e voltei para junto do Bogas. Quando cheguei ao carro, passou um daqueles camiões simpáticos, a velocidade de tal forma adequada que projectou o triângulo em voo. Eu nem podia acreditar no que via e, devo confessar, fiquei a maldizer os condutores que não se preocupam com uma mocinha, não loura, parada na berma da autoestrada de colete vestido e com ar de infeliz, stressada e cheia de frio, com medo de entrar para o carro por haver a desagradável probabilidade de levar com um qualquer menos prevenido. Bem, lá regressei para o colocar na posição certa: melhor do que nada, o voo do triângulo fez com que se partisse e ficasse desconjuntado, pondo à prova a minha fraca capacidade engenhosa de o manter direitinho durante o tempo que ali tivesse de permanecer.

Liguei para o ACP (ainda bem que existe!!!) e depois de ter alguma dificuldade em me fazer ouvir, dado o ruído que a velocidade dos carros provocava, o pedido de reboque ficou registado com a garantia do apoio demorar no máximo 30 minutos a chegar. Ao fim de algum tempo, lá consegui sair dali, depois do reboque ter chegado, seguido da minha mãe que, mais uma vez, me salvou de uma situação difícil, e consegui chegar à primeira reunião com cerca de meia hora de atraso e muito stress junto. Hoje, no final da manhã, acabei por saber o diagnóstico do Bogas: pior, muito pior do que eu poderia ter imaginado. Não, não foi o tubo de escape... foi mesmo o catalizador que se partiu, o que resulta num arranjo de 400 euros, e em demora até estar pronto porque a peça teve de ser encomendada para Espanha.

Bogas... estás a começar a dar-me que pensar... gosto tanto de ti, rapaz, mas em tão pouco tempo já foram 500 euros para a revisão, 600 euros para pneus e agora 400 euros para o catalizador... a coisa não está a correr bem para o teu lado na transição de 2005 para 2006...

 

Mensagens populares deste blogue

Calulu de Galinha, Pato ou Porco

Este post é dedicado à Helena, uma variação do Calulu de Peixe. Proponho a versão de carne que na minha opinião é incomparavelmente melhor. Uma refeição para preparar com tempo e calma, "leve-leve só", para saborear na tranquilidade de uma boa companhia.Recebi agora mais uma informação interessante - na língua local, não se diz Calulu mas sim Cálu ou Kalu, pelo que o termo que utilizamos (e que sempre ouvi em STP) será uma africanização/aportuguesamento absolutamente desnecessária (Obrigada, amigo Alcídio).Receita de CALULU DE GALINHA, PATO OU PORCO, gentilmente cedida por D. Alcinda Lombá (e transmitida pelo Paco)Ingredientes
Galinha, ou pato ou carne de porco fumada);
Folhas (ponto, maquêquê, galo, ótage, olho de folha de goiabeira, quimi, margoso, mesquito, mússua, damina, matrussu, tartaruga...);
óleo de palma;
beringela;
quiabo;
cebola;
tomate;
pau de pimenta;
óssame;
fruta pão;
farinha de mandioca;
Modo de preparação
Picar as folhas todas e em pedaços pequenos (opcional moer ou ama…

O Tubarão de STP – I Parte

Depois de ter regressado a Lisboa, após a minha última incursão a São Tomé, não há dia em que não me lembre das maravilhas do arquipélago, das suas particularidades, as mais apelativas e as outras... que representam riscos, mas que, por essa mesma razão, têm também o seu “quê” de sedução.
O tubarão de São Tomé é uma dessas particularidades, à volta do qual se tecem considerações, se contam histórias e se criam mitos, a maioria sem certezas. Sempre ouvi falar muito acerca do tubarão e nem sei porquê, talvez por ser um animal pouco simpático, que não permite grandes contactos com o Homem e que, apesar de tudo, existe em grande quantidade por aquelas águas. A maioria revelava desconhecimento sobre tipos e quantidade, principais riscos e ameaças, número de ataques e praias onde aparecem mais frequentemente. Mas as conversas evidenciavam sobretudo medo e desconforto. Havia quem: tivesse terror de o encontrar; dissesse já o ter avistado numa passagem de ano no pontão do Marlin, que era inof…