Avançar para o conteúdo principal

Tenho um desejo: ser loira por um dia

Dava tudo para ser uma loira como as das anedotas. Não por muito tempo, é certo, porque com certeza que me fartaria, mas por um dia... seria bom. Muito mesmo! Não percebem? Passo a explicar porque é mesmo muito simples. Estava eu hoje no ginásio, onde fui a uma aula de danças latinas, que invariavelmente resulta numa grande animação e excitação dos participantes, com perda de calorias à mistura, fui até ao balneário para tomar o duche necessário e pus-me a observar. Já sei que isso não se faz mas sinceramente não foi por mal, talvez por deformação profissional, dou comigo, muitas e muitas vezes, a ouvir conversas alheias e os olhos saltam de imediato para os interlocutores, ficando presos no seguimento da conversa e nos gestos em frente ao espelho, que traduzem muito. É uma ocupação fenomenal e normalmente aprendemos mais do que poderíamos pensar. Eu aprendi que ser-se “loiraaaaaaaaaaaa” não deve ser assim tão mau porque os questionamentos a que estas pessoas são dadas não as torna tão infelizes quanto eu às vezes me sinto. Então sinteticamente, as conclusões a que cheguei foram:

  1. as “loiraaaaaaaaaas” são fisicamente magras, qb, bem torneadas e dotadas pelo Criador dos requisitos mais apreciados pelo sexo masculino, muito preocupadas com a sua imagem para agradar, o que significa: não engordar; não ter celulite; manterem-se jovens, e com cara de bonecas, sem rugas, sem papadas e sem olheiras; ter os cabelos compridos e bem cortados, com nuances ou mesmo pintados, soltos e com um aspecto apetecível para serem tocados, sendo balanceados com meneios de cabeça em frente ao espelho, ensaiando sorrisos e perspectivas, ou quando andam com uma sensualidade estudada,
  2. as “loiraaaaaaaas” conversam umas com as outras com a simpatia possível de quem é grande amigo quando se encontra, com cumprimentos exuberantes e elogios infinitos, mas que, na realidade, se odeia de morte porque a outra é mais gira, tem mais homens atrás, casou com um homem pôôôôdre de rico e suuuuuupé giro, que a adora, e tem filhos liiiiiindos de morrer, vive numa casa faaaaantástica, vai passar férias aos sítios da moda, nunca precisou de fazer nenhum na vida e ainda passa os dias a lamentar-se de qualquer coisa,
  3. os temas de conversas das “loiraaaaaaas” passam invariavelmente pelo carro, pelas compras e recentes lojas descobertas, restaurantes magníficos com empregados giríssimos que as galanteiam e que fazem imensos ciúmes aos seus incansáveis acompanhantes, que são uns amôôôres”, só porque estavam com um decotezinho de nada; o sucesso que foi a festa amarela, do champanhe ou dos malmequeres, e quem saiu com quem... descrições giríssimas de infidelidades e bebedeiras que uma delas não assistiu porque estava a dançar na pista ou fora até à praia ali mesmo em baixo do varandim namorar um bocadinho; o cabeleireiro ou as unhas; o veterinário dos cães, que por sinal é suuuuuupé competente, tãããão atento, e ainda por cima giríssimo... claro!

As “loiraaaaaas” são mulheres que procuram a felicidade, não se chateiam verdadeiramente com questões de grande profundidade porque essas fazem rugas, olheiras, papadas, não cativam os homens, não dispõem bem para as compras, dão à tez uma tonalidade pálida e ao olhar uma expressão de infelicidade. Essas questões mais importantes, e que são uma canseira, são naturalmente remetidas para os homens, que não precisam de ser bonitos, mas simpáticos, conversadores, galanteadores e ter vontade e disponibilidade qb para as manterem. E se forem giríssimos, tanto melhor, mas serem "uns queridos" já é o bastante.

Sabem o que mais? Quero ser loira, nem que seja, por um dia!!!!

Mensagens populares deste blogue

Calulu de Galinha, Pato ou Porco

Este post é dedicado à Helena, uma variação do Calulu de Peixe. Proponho a versão de carne que na minha opinião é incomparavelmente melhor. Uma refeição para preparar com tempo e calma, "leve-leve só", para saborear na tranquilidade de uma boa companhia.Recebi agora mais uma informação interessante - na língua local, não se diz Calulu mas sim Cálu ou Kalu, pelo que o termo que utilizamos (e que sempre ouvi em STP) será uma africanização/aportuguesamento absolutamente desnecessária (Obrigada, amigo Alcídio).Receita de CALULU DE GALINHA, PATO OU PORCO, gentilmente cedida por D. Alcinda Lombá (e transmitida pelo Paco)Ingredientes
Galinha, ou pato ou carne de porco fumada);
Folhas (ponto, maquêquê, galo, ótage, olho de folha de goiabeira, quimi, margoso, mesquito, mússua, damina, matrussu, tartaruga...);
óleo de palma;
beringela;
quiabo;
cebola;
tomate;
pau de pimenta;
óssame;
fruta pão;
farinha de mandioca;
Modo de preparação
Picar as folhas todas e em pedaços pequenos (opcional moer ou ama…

O Tubarão de STP – I Parte

Depois de ter regressado a Lisboa, após a minha última incursão a São Tomé, não há dia em que não me lembre das maravilhas do arquipélago, das suas particularidades, as mais apelativas e as outras... que representam riscos, mas que, por essa mesma razão, têm também o seu “quê” de sedução.
O tubarão de São Tomé é uma dessas particularidades, à volta do qual se tecem considerações, se contam histórias e se criam mitos, a maioria sem certezas. Sempre ouvi falar muito acerca do tubarão e nem sei porquê, talvez por ser um animal pouco simpático, que não permite grandes contactos com o Homem e que, apesar de tudo, existe em grande quantidade por aquelas águas. A maioria revelava desconhecimento sobre tipos e quantidade, principais riscos e ameaças, número de ataques e praias onde aparecem mais frequentemente. Mas as conversas evidenciavam sobretudo medo e desconforto. Havia quem: tivesse terror de o encontrar; dissesse já o ter avistado numa passagem de ano no pontão do Marlin, que era inof…