Avançar para o conteúdo principal

Confusão

Ai que confusão que por aqui vai nesta cabeça. É o que faz ser fraca das ideias e divagar a toda a hora por tudo e por nada. E prontos, pá, quando uma pessoa tem estímulo para a parvalheira e a parvoíce, lá se juntam as duas e o resultado só pode ser um jantar de risota pegada em animação e disparate. Mas que coisa... porque hei-de eu ser assim? É que as lembranças chegam e não partem e... pois é, e é tão engraçado falarmos e desconversarmos, e sorrirmos, e rirmos, e descontrairmos, e espreguiçarmos soltando cada músculo, e sentirmos o pensamento fluir com o ar, com a vontade e a possibilidade, e sentirmo-nos invadidos por uma paz só possível no paraíso, se é que ele existe. Mas sim, existe porque senão existisse nada faria mais sentido. Nem o sofrimento, nem a ausência, nem a angústia, nem a impossibilidade, nem a tua falta... E que falta me fazes, nem tu sabes, e não vais saber porque nunca te vou dizer, porque não posso, e não quero, e não devo, e não mereces, e não queres sequer saber porque além de não quereres, não podes e não deves sequer perguntar. E assim é, um novo dia que amanhã começa, ou será já hoje, daqui a nada, quando olhar para o relógio e perceber que o tempo fluiu tão depressa quanto o meu pensamento e as lembranças que quero guardar de ti, as boas e só essas, porque as más não as quero nem recordar. E é bom lembrar quando não se pode mais vivê-las, sabias? Ai, vou dormir, talvez não já mas daqui a pouco. Agora vou ainda pesquisar porque nada me dá mais prazer do que investigar, saber, questionar e concluir. E é isso que vou fazer agora mesmo. Não sobre ti mas sobre outras espécies, tão dóceis, afáveis, ternurentas e carentes de afecto quanto tu, mas daquelas que não se envergonham e não se problematizam por se olhar para elas...

Mensagens populares deste blogue

Calulu de Galinha, Pato ou Porco

Este post é dedicado à Helena, uma variação do Calulu de Peixe. Proponho a versão de carne que na minha opinião é incomparavelmente melhor. Uma refeição para preparar com tempo e calma, "leve-leve só", para saborear na tranquilidade de uma boa companhia.Recebi agora mais uma informação interessante - na língua local, não se diz Calulu mas sim Cálu ou Kalu, pelo que o termo que utilizamos (e que sempre ouvi em STP) será uma africanização/aportuguesamento absolutamente desnecessária (Obrigada, amigo Alcídio).Receita de CALULU DE GALINHA, PATO OU PORCO, gentilmente cedida por D. Alcinda Lombá (e transmitida pelo Paco)Ingredientes
Galinha, ou pato ou carne de porco fumada);
Folhas (ponto, maquêquê, galo, ótage, olho de folha de goiabeira, quimi, margoso, mesquito, mússua, damina, matrussu, tartaruga...);
óleo de palma;
beringela;
quiabo;
cebola;
tomate;
pau de pimenta;
óssame;
fruta pão;
farinha de mandioca;
Modo de preparação
Picar as folhas todas e em pedaços pequenos (opcional moer ou ama…

O Tubarão de STP – I Parte

Depois de ter regressado a Lisboa, após a minha última incursão a São Tomé, não há dia em que não me lembre das maravilhas do arquipélago, das suas particularidades, as mais apelativas e as outras... que representam riscos, mas que, por essa mesma razão, têm também o seu “quê” de sedução.
O tubarão de São Tomé é uma dessas particularidades, à volta do qual se tecem considerações, se contam histórias e se criam mitos, a maioria sem certezas. Sempre ouvi falar muito acerca do tubarão e nem sei porquê, talvez por ser um animal pouco simpático, que não permite grandes contactos com o Homem e que, apesar de tudo, existe em grande quantidade por aquelas águas. A maioria revelava desconhecimento sobre tipos e quantidade, principais riscos e ameaças, número de ataques e praias onde aparecem mais frequentemente. Mas as conversas evidenciavam sobretudo medo e desconforto. Havia quem: tivesse terror de o encontrar; dissesse já o ter avistado numa passagem de ano no pontão do Marlin, que era inof…