Avançar para o conteúdo principal

Correcção

Não me perdoaria senão fizesse uma correcção à mensagem colocada anteriormente sobre o JCB e a Quinta das Celebridades. Aquilo começou há uma semana e já não há paciência que aguente! A graça que encontrei no "White Castle" foi apenas momentânea e superficial. O homem é simplesmente arrogante e mal educado, impositivo e a atirar para o ditador, julga-se senhor de si e dos outros. É um insuportável!
Na verdade, a filosofia da Quinta podia ter interesse, pela necessidade de cada um se dar aos outros, na colaboração para a realização das tarefas diárias, no confronto de modos de vida. Mas, nos métodos que o programa utiliza e nos resultados, o programa é excessivo e pouco equitativo. Quem será o JCB neste país para ter um estatuto diferente dos restantes participantes, no que respeita ao cumprimento de tarefas? Porque alega ele, continuamente, que não precisa de fama nem de dinheiro? Porque terá ele aceite o convite, se no fim de contas está a ser pago, e não é tão pouco quanto isso, para ser considerado por ele como uma atitude caritativa?
O homem devia simplesmente ser expulso. Não tem perfil para viver numa quinta, onde é preciso trabalhar, nem para conviver em grupo. É egocêntrico e arrogante, certo das suas verdades e sem receptividade para ouvir sugestões e opiniões alheias. Dá-se ao direito de gritar histericamente com os restantes membros, faltando ao respeito e evidenciando inrazoabilidade e falta de educação.
Falta-lhe berço, essa é a verdade. É fácil perceber que a frequência de cursos de boas maneiras não equivale a educação - essa resulta de um trabalho árduo e demorado de assimilação de valores, de princípios de convivência e de respeito - que ultrapassam em larga medida a forma como se põe a mesa e, em particular, o guardanapo.
O homem é um infeliz - não assume a sua sexualidade, fazendo gala de manter uma imagem híbrida, cativa apenas superficialmente as pessoas, sente necessidade de reforçar a sua "chiqueza", o dinheiro que tem à sua disposição, mas que na verdade não é dele, por isso não é meritório, o seu valor, que ninguém vê mas que ele afirma ser infinito, a "sua Betty" que lhe deu estatuto, fatos, sapatos, lenços, pareos, maquilhagem e liftings, mas que não convence ninguém como sua amante e companheira. Que mulher teria prazer com um homem que procura imitar a sua própria imagem, tendo ela mais 40 anos do que ele?
É uma alucinação e o pior é que todo o programa roda à volta da peça - todos os outros sao desvalorizados, sobretudo os que ali trabalham e que contribuem para o quotidiano do grupo. É incrível como se pode valorizar tanto imagem tão aberrante, só por representar o "bobo da corte" e divertir o povão.
Não há mais paciência. E espero que o grupo o nomeie e que, assim sendo, os portugueses tenham vergonha e o expulsem de imediato.

Mensagens populares deste blogue

Calulu de Galinha, Pato ou Porco

Este post é dedicado à Helena, uma variação do Calulu de Peixe. Proponho a versão de carne que na minha opinião é incomparavelmente melhor. Uma refeição para preparar com tempo e calma, "leve-leve só", para saborear na tranquilidade de uma boa companhia.Recebi agora mais uma informação interessante - na língua local, não se diz Calulu mas sim Cálu ou Kalu, pelo que o termo que utilizamos (e que sempre ouvi em STP) será uma africanização/aportuguesamento absolutamente desnecessária (Obrigada, amigo Alcídio).Receita de CALULU DE GALINHA, PATO OU PORCO, gentilmente cedida por D. Alcinda Lombá (e transmitida pelo Paco)Ingredientes
Galinha, ou pato ou carne de porco fumada);
Folhas (ponto, maquêquê, galo, ótage, olho de folha de goiabeira, quimi, margoso, mesquito, mússua, damina, matrussu, tartaruga...);
óleo de palma;
beringela;
quiabo;
cebola;
tomate;
pau de pimenta;
óssame;
fruta pão;
farinha de mandioca;
Modo de preparação
Picar as folhas todas e em pedaços pequenos (opcional moer ou ama…

O Tubarão de STP – I Parte

Depois de ter regressado a Lisboa, após a minha última incursão a São Tomé, não há dia em que não me lembre das maravilhas do arquipélago, das suas particularidades, as mais apelativas e as outras... que representam riscos, mas que, por essa mesma razão, têm também o seu “quê” de sedução.
O tubarão de São Tomé é uma dessas particularidades, à volta do qual se tecem considerações, se contam histórias e se criam mitos, a maioria sem certezas. Sempre ouvi falar muito acerca do tubarão e nem sei porquê, talvez por ser um animal pouco simpático, que não permite grandes contactos com o Homem e que, apesar de tudo, existe em grande quantidade por aquelas águas. A maioria revelava desconhecimento sobre tipos e quantidade, principais riscos e ameaças, número de ataques e praias onde aparecem mais frequentemente. Mas as conversas evidenciavam sobretudo medo e desconforto. Havia quem: tivesse terror de o encontrar; dissesse já o ter avistado numa passagem de ano no pontão do Marlin, que era inof…