Avançar para o conteúdo principal

Raio Verde I

Aqui ficam alguns excertos do que escrevi no artigo
(revista piá, Ano 1, Maio 2004, nº 18, pg. 22-24)

"(...) Muito se tem falado e discutido sobre o Raio Verde, havendo quem o refira como Azul, dependendo das condições atmosféricas e sobretudo da percepção do observador. Na verdade, ao longo dos tempos, o fenómeno adquiriu: um carácter místico, pelo mistério que a sua rara observação envolve; um sentido mítico dado que a observação é entendida como um ritual; uma conotação simbólica por ser equacionado com a esperança, a felicidade e a realização de desejos do foro emocional e afectivo. (...)"
"(...) Julio Verne, em “Raio Verde” (1882), é dos primeiros autores a descrevê-lo, «um verde que nenhum pintor, algum dia, conseguiria obter na sua paleta, um verde que não se encontra na variedade de tonalidades da vegetação ou que o mais límpido mar poderia produzir. Se houver verde no Paraíso, não pode ser mais do que a sua sombra, que é com certeza o Verde Verdadeiro da Esperança».Verne apresenta-o como um fenómeno único e de rara beleza, auspicioso, indiciador de bons momentos, convertendo o seu observador em pessoa afortunada. Na verdade, além do relato apresentado, o autor apela também à emotividade do leitor pelo misticismo implícito, recriando o momento em que o fenómeno pode ser observado.
No final de um pôr-do-sol no mar, quando a luz do Sol, antes de desaparecer, muda de cor e se torna amarelada, quem conseguir observar o verde do Raio verá os seus pensamentos e desejos mais íntimos, bem como os das pessoas à sua volta, magicamente revelados.(...)"

Mensagens populares deste blogue

Calulu de Galinha, Pato ou Porco

Este post é dedicado à Helena, uma variação do Calulu de Peixe. Proponho a versão de carne que na minha opinião é incomparavelmente melhor. Uma refeição para preparar com tempo e calma, "leve-leve só", para saborear na tranquilidade de uma boa companhia.Recebi agora mais uma informação interessante - na língua local, não se diz Calulu mas sim Cálu ou Kalu, pelo que o termo que utilizamos (e que sempre ouvi em STP) será uma africanização/aportuguesamento absolutamente desnecessária (Obrigada, amigo Alcídio).Receita de CALULU DE GALINHA, PATO OU PORCO, gentilmente cedida por D. Alcinda Lombá (e transmitida pelo Paco)Ingredientes
Galinha, ou pato ou carne de porco fumada);
Folhas (ponto, maquêquê, galo, ótage, olho de folha de goiabeira, quimi, margoso, mesquito, mússua, damina, matrussu, tartaruga...);
óleo de palma;
beringela;
quiabo;
cebola;
tomate;
pau de pimenta;
óssame;
fruta pão;
farinha de mandioca;
Modo de preparação
Picar as folhas todas e em pedaços pequenos (opcional moer ou ama…

O Tubarão de STP – I Parte

Depois de ter regressado a Lisboa, após a minha última incursão a São Tomé, não há dia em que não me lembre das maravilhas do arquipélago, das suas particularidades, as mais apelativas e as outras... que representam riscos, mas que, por essa mesma razão, têm também o seu “quê” de sedução.
O tubarão de São Tomé é uma dessas particularidades, à volta do qual se tecem considerações, se contam histórias e se criam mitos, a maioria sem certezas. Sempre ouvi falar muito acerca do tubarão e nem sei porquê, talvez por ser um animal pouco simpático, que não permite grandes contactos com o Homem e que, apesar de tudo, existe em grande quantidade por aquelas águas. A maioria revelava desconhecimento sobre tipos e quantidade, principais riscos e ameaças, número de ataques e praias onde aparecem mais frequentemente. Mas as conversas evidenciavam sobretudo medo e desconforto. Havia quem: tivesse terror de o encontrar; dissesse já o ter avistado numa passagem de ano no pontão do Marlin, que era inof…