quarta-feira, 8 de abril de 2015

Diálogo com a Terra em hora de despedida

Ao partir bate uma saudade impossível de descrever. Os minutos passaram com a rapidez de um relógio de tempo apesar de ficar com a ideia de que os ponteiros não andavam. Agora, ao avaliar o que vivi, percebo que os segundos esticaram em minutos e as horas em dias. Um dia ganhou a dimensão de uma semana e um mês de um ano. Ao partir, sei que o regresso urgirá. Mais tempo menos tempo voltarei porque a saudade surge de repente e de forma apertada. É difícil explicar a quem quer que seja que não tenha vivido a mesma experiência e arrisco até passar por louca desvairada e incontida... 
Ao espreitar pela janela inicio um diálogo tão silencioso quanto emotivo. A Terra diz-me com a tristeza no olhar:
- Não partas, não vás, não me deixes para trás, aqui no meio do mar sem poder acompanhar-te.
- Não me partas o coração... tenho de seguir viagem porque a vida aguarda-me do outro lado... - respondo num tom sumido.
- Se tens de partir... promete-me que regressas uma e outra vez... não ficarei igual sem ti...
Com um aperto no coração, os sentidos inebriados e os olhos alagados de lágrimas contidas que antecipam a despedida acabo por lhe dizer:
- Não te abandono jamais. Fazes parte de mim e eu de ti. És a minha Terra e eu serei sempre tua. Onde quer que eu esteja, por onde quer que eu ande, estarás no meu pensamento e preenches o meu coração. Da distância faz-se perto. Quando a solidão se fizer sentir e a vontade de regressar apertar, mesmo que não possa vir a correr ou a voar, fecharei os olhos e rapidamente nos reencontramos... Tu reinventaste em mim a capacidade de sonhar e de acreditar que entre o sonho e o feito há apenas um pulinho...
E subindo com o céu no horizonte olho uma vez mais para a Terra, fixo-a e sorrio. Ali está e fica uma parte de mim e comigo trago, para sempre, uma parte dela.

São Tomé, Abril de 2014


Kuma di curpo... curpo sta bem

Ontem foi o dia em que conversei calmamente com um amigo que partiu porque teve de se ausentar deste mundo por ter sido chamado para outras...