sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Às vezes...

Às vezes apetecia-me fechar os olhos e deixar o pensamento seguir os passos da imaginação, sem parar... Às vezes apetecia-me que as histórias contadas à noite no meio do sono se pudessem transformar em realidade... Às vezes apetecia-me ter um ouvido selectivo e não dar conta do ruído que bloqueia o raciocínio... Às vezes apetecia-me esquecer a altivez, a distância e a arrogância que tanto me confundem, ainda, em algumas pessoas... Às vezes apetecia-me fazer com que o ritmo alucinante parasse só para deixar a contemplação ganhar espaço e enriquecer todos quantos andam por aí a pensar que têm existências importantes sem perceberem que o essencial está nas pequenas coisas!

 

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...