quarta-feira, 1 de novembro de 2006

Fidelidades

Sou uma mulher fiel: às pessoas; aos afectos; aos sonhos e ideiais; aos projectos. Sou de tal forma fiel que, apesar de me ter apaixonado por um computador, tenho resistido e continuado a trabalhar com o meu mais do que companheiro de alegrias e tristezas, que se tem mantido a meu lado desde há uns bons 8 anos, sem refilar ou se lamentar do trabalho que lhe dou. Tem estado comigo para o bem e para o mal, sem requerer grandes cuidados, além dos básicos. Mas hoje, há sempre um "mas" em quase tudo... senti uma necessidade imperiosa e muito intensa de compensar a auto-estima que tinha sofrido um abanão, tal como acontece a todos de quando em vez. E dei com os meus pés a deslizarem para a FNAC mais próxima, os olhos a procurarem aquele magnífico bichinho comunicante. Respirei fundo e sem pensar duas vezes trouxe-o comigo e, ao chegar a casa, a primeira coisa que fiz foi tocar-lhe, acariciá-lo, experimentar todas as sensações que ele permite. Fantástico!!!
Não... não abandonei o outro e já lhe arranjei uma solução: apenas passa para uns dedos mais jovens, que com a sua larga experiência, terão a oportunidade de contactar com um mundo de oportunidades. O meu velho amigo irá fazer companhia a uma pequena grande pessoa muito especial!!!

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...