terça-feira, 27 de setembro de 2005

Sobrevivência

E, se alguém tem dúvidas, não tenha porque é a mais completa verdade! Como alguém que conheço diria se estivesse aqui à minha frente neste preciso momento “venha o que vier, nada será maior do que a minha alma”. E com esse alguém aprendi muitas coisas e uma delas foi a sobreviver em qualquer situação, até quando estamos rodeados por todo o lado de feras esfomeadas e desejosas de ver sangue.

“(...) aprendera, e muito bem, que algumas perdas eram capazes de despedaçar uma pessoa reduzindo-a a pequenos cacos, esmagando-lhe o espírito, transformando-o em pó. E, mesmo assim, a pessoa era capaz de seguir em frente e reerguer-se remendando a alma. As pessoas sobreviviam. Se não “felizes para sempre”, pelo menos levavam a vida adiante de forma satisfatória”.

Nora Roberts in “A Cor do Fogo”, pg. 14

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...