segunda-feira, 30 de maio de 2005

Há dias assim

Há dias assim em que inexplicavelmente somos invadidos por uma energia imensa, que nos parece infinita. Andamos quilómetros, corremos, fazemos mil e uma coisas, sentimo-nos incansáveis e imparáveis, desdobramo-nos em pequenos e grandes gestos, multiplicamos acções e o Mundo parece-nos pequeno. Mas, também de repente, a quebra apodera-se do nosso corpo e do nosso espírito e damos connosco sem nos conseguirmos mexer mais. Até que um novo dia chegue.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...