quarta-feira, 13 de outubro de 2004

E a vida continua...

e a curiosidade alheia acerca daquilo que não lhe diz respeito também...
É assombroso como algumas pessoas, só por nos conhecerem, terem jantado algumas vezes connosco e desenvolvido actividades em período de lazer, tais como caminhadas, idas à praia ou a um bar, se acham no direito de nos questionar de forma incisiva e directa acerca da nossa intimidade. Pior um pouco quando se fazem de nossas amigas, as maiores e aquelas sem as quais não conseguiriamos passar, mas por trás de nós comentam-nos, avaliam-nos, opinam e julgam todos os nossos actos e comportamentos.
Há alturas em que queremos ter a noção de ser uma atitude simpática e reconfortante, sobretudo quando nos sentimos sózinhos e com uma infinita necessidade de falar e de partilhar o que nos vai na alma. Mas depois de nos terem feito algumas, das boas mas que nem o diabo gostaria, tudo nos surge de forma óbvia e básica. Dá vontade de rir, em vez de gritar, de desconversar, em vez de desatinar e de dizer "bidu bidu dádá" para não dizer "não há paciência"... quando interiormente pensamos mesmo... "não há c...!!!!!".
Toquem-se queridinhos...

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...