sábado, 1 de setembro de 2012

Conversas antigas mas oportunas no presente...

Um dia, lá pelas ilhas, alguém que fazia parte das minhas relações de proximidade disse-me:
- Pense que aqui todos estamos de passagem. Num dia conhecemos uma pessoa e a sensação que temos é que sempre fez parte da nossa vida e por pouco que a conheçamos passamos a olhá-la como um dos nossos. Aqui rapidamente se ganha confiança e proximidade, as paixões são fáceis porque tudo parece fazer sentido. Tem cuidado com quem conheces, a quem te entregas... 
- Mas porquê? Não entendo, tudo parece simples, verdadeiro...
- Nem tudo o que parece é, a ilusão marca os nossos dias porque é apenas isso que queremos: a evasão; o deslumbramento; os encantamentos; as promessas. Tem cuidado com o que aqui desejas porque de tanto desejares acabas por realizar. Tudo, até o mais improvável, o que sempre julgaste impossível, por cá, pode acontecer. E depois de acontecer deixas de desejar. O desejo é perigoso e deves sempre tentar antever se te vais dar bem ou mal com essa realização.
- Mas isso é um risco não calculado...
- Então estuda bem as pessoas antes de as desejares, avalia-as, percebe-as...

E... a partir desta conversa, que foi bem mais prolongada e personalizada, passei a andar com um bloco e uma caneta...

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...