domingo, 14 de dezembro de 2008

Desagradável recordação

Acordou com uma estranha e desagradável recordação: fazia dez anos que se armara em aventureira apostando num futuro incerto no qual, apesar de tudo, quis acreditar que tinha todos os ingredientes para resultar em felicidade. Enganara-se, afinal. Aquela viria a ser a pior aventura pela qual passara. Naquela altura, face aos sinais e aos indícios, jamais poderia ter pensado que cada minuto que viveria naquelas terras do sul seria tão dramático e angustiante. Acredito que se fosse hoje viveria tudo com um distanciamento muito maior, não arriscaria 1 segundo da sua vida por uma história de filme, nem acreditaria sequer numa palavra do que ouvira dez anos antes. O tempo é prodigioso, apesar de tudo. E ao acordar apercebeu-se que aquele episódio dantesco parecia ter acontecido há uma eternidade.

 

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...