quinta-feira, 26 de outubro de 2006

No aproveitar é que está o ganho...

Não se trata de dinheiro ou simplesmente de oportunidades, mas sim de tempo! Pode pensar-se que uma coisa vai dar à outra, e talvez até seja verdade. Hoje, ensonada como quase sempre quando me levanto bem cedo, ao entrar no comboio, sentei-me num daqueles grupos de quatro lugares, com vontade de descansar os olhos e relembrar a estrutura da aula que se aproximava. Mas não consegui... é que mesmo à minha frente seguia uma rapariga que, pela aparência, se aproximava a passos largos da idade adulta, e pintava os olhos meticulosamente e cheia de concentração. Dito assim não parece nada de especial, mas visto foi absolutamente surrealista. Eram 8 da manhã, mais coisa menos coisa, o comboio chocalhava por todo o lado, o que quando dá para dormir serve de embalo, mas convenhamos que pintar os olhos com lápis e rímel num comboio cheio é um verdadeiro feito! Eu lá vim completamente siderada, a tentar decifrar a técnica. É que, na verdade, eu não me pinto, salvo em ocasiões muitíssimo excepcionais, e quando isso acontece demoro horas para não ficar tipo palhaço. E mesmo assim a obra tem de ser feita em solo bem firme para não ficar borrada, e reconheço que o resultado aproxima-se do desejado com muita dificuldade!!! Agora, tentar fazer isto tudo numa viagem de comboio, bem cedo, seria a melhor forma de ficar tipo morcego em pleno voo. A esta rapariga-senhora bastaram duas estações sem parar – íamos num rápido – para ficar com uma aparência perfeita. De seguida, guardou os materiais e tirou o Dest@k da mala, abriu e começou a ler, com a maior das naturalidades. Fantástico, pensei. Afinal, pode fazer-se quase tudo num comboio rápido. O que interessa é aproveitar o tempo ao segundo, fazendo tudo o que não se conseguiu fazer antes.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...