sexta-feira, 28 de abril de 2006

Ai eu...

Ou é do cansaço ou da Primavera, ou se calhar dos dois juntos, mas estou acabadinha dos olhos. Estão secos e doridos, ora com picadas como se tivesse pequenas lâminas dentro das pálpebras, ora com uma dor que vem das profundezas e que se alastra para o resto da cabeça, e, como se não fosse o bastante, a visão está enevoada. Só me apetece fechá-los e deixá-los quietos. Ontem as picadas eram tais que me custava mantê-los abertos. A vida às vezes prega-nos destas. Logo agora que eu tenho tanto que fazer, prazos a cumprir e, acima de tudo, vontade de avançar nas tarefas que encadeei e que se resumem a analisar registos inscritos em papel, sob a forma de letras, números, traços e círculos, em função dos casos, traduzi-los em códigos e inseri-los no computador. Dá vontade de dizer: AI EU...

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...