segunda-feira, 27 de março de 2006

I Simpósio Lusófono de Educação Ambiental

Por favor divulgue e participe:
I Simpósio Lusófono de Educação Ambiental

Tardes dos dias 06 e 07 de Abril de 2006 Inicia, o que se pretende que seja uma série de encontros, onde representantes de países de língua portuguesa (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, Portugal, S. Tomé e Príncipe e Timor Leste) e Galiza têm a oportunidade de discutir estratégias comuns e aproximações para implantação de políticas nacionais de educação ambiental e de programas de cooperação.
Programa:
06.abril
14:30H – 18:30H
Facilitação: Joaquim Ramos Pinto (Portugal), Pablo Meira (Galiza) & Michèle Sato (Brasil)Abertura com entidades oficiais da CPLP
Luis Chainho – Ministério do Ambiente de Portugal
“A Educação Ambiental como Factor de Aproximação na CPLP”
Marcos Sorrentino – Órgão Gestor de Educação Ambiental do MMA Brasil
“A Comunidade de Países de Língua Portuguesa enfrentando as questões ambientais planetárias”
Mesa 1
Antônio Fernando Guerra
“Pesquisas em Educação Ambiental nas identidades lusas”
Rosemeri Melo e Souza
“Vivências em redes de Educação Ambiental nos enraizamentos lusos”
Marília Andrade Torales e Joaquim Ramos Pinto
“Identidades da Rede Lusófona de Educação Ambiental”
Debate
Mesa 2
Alberto Vieira da Silva
“Sentimentos e pertencimentos”
Brígida Brito - Centro Estudos Africanos/ISCTE (Portugal)
“Experiência dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa”
Aidil Borges
“Experiências em Cabo Verde”Debate
Pablo Meira
“O itinerário de um sonho”
Debate
07.abril 14:30H – 17:00H
Constituição de três grupos temáticos sob o fio condutor: “sentimentos e pertencimentos dos itinerários de um sonho”
- Colóquio de pesquisa
Facilitação: Antônio Fernando Guerra
- Vivências em redes
Facilitação: Rosemeri Melo e Souza
- PALOP
Facilitação: Brígida Brito (Portugal) & Aidil Borges (Cabo Verde)
17:00H -18:30H
Plenária final para apresentação das conclusões dos 3 grupos temáticos, sistematização e Carta Luso-galega de Educação Ambiental
Facilitação: Joaquim Ramos Pinto, Pablo Meira & Michèle Sato

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...