segunda-feira, 23 de janeiro de 2006

Não vou!

Não vou comentar as eleições. Não vou falar de política. Não vou dizer bem de uns e mal de outros. Não quero, não me apetece. Estou irritada. Sei lá eu! Não gosto de política. E fico louca da vida sempre que alguém me acha um ser do outro mundo, extraterrestre quem sabe, por preferir a contemplação de uma paisagem, dos animais e das plantas, ou deixar-me encantar com o sorriso franco de uma criança, que pouco ou nada tem a esconder. A política é incerta, falta, dúbia e cheia de armadilhas. Nunca se sabe o que é certo ou errado, quem está do nosso lado ou contra nós. É difícil, para mim, ter a sensação confortável de saber em quem posso confiar quando se fala em política. A natureza é o que é e as crianças também. Não há nada melhor! E com isto volto a dizer: não vou comentar as eleições! E ponto final sobre o assunto.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...