quinta-feira, 25 de agosto de 2005

Prémios literários Sonangol

Cabo Verde e São Tomé e Príncipe estão de parabéns!!! A notícia apareceu-me através do PULULU e depois pesquisei mais e encontrei-a no AFRICANIDADE.

O Prémio Sonangol da Literatura 2005, a distinção mais importante atribuída em Angola, reconheceu dois escritores, um santomense (Malé Madeçu, que na verdade é o pseudónimo de Manuel Teles Neto) com a obra “Retalhos do Massacre de Batepá” e outro caboverdiano, Fidalgo Preto com a obra “Baban – O Ladino”.

Os membros do juro consideraram que as obras se destacaram "salvaguarda dos valores étnicos e sócio-culturais dos seus países", já que Malé Madeçu promove "uma valorização do património cultural de S. Tomé e Príncipe", e o livro premiado "constitui a memória da ruptura entre o império e a colónia". “Retalhos do Massacre de Batepá” possui "um grande valor como epopeia da resistência político-cultural, que alimenta o patriotismo das gerações jovens, geralmente desconhecedoras da sua própria história".

O romance "Baban - O Ladino" está "profundamente estruturado no sistema sócio-cultural de Cabo Verde", retratando "o problema da cidadania" no quadro da "conquista da liberdade democrática".

O júri atribuiu uma menção honrosa à obra “Levélengué – As Gravanas de Gabriela”, do escritor são-tomense Natasha Lueje, pseudónimo de Joaquim Rafael Branco.

Este prémio concede 25 mil dólares ao vencedor e será entregue em Luanda numa cerimónia a realizar a 25 de Fevereiro de 2006, data do aniversário da Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola, patrocinadora deste prémio.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...