quarta-feira, 23 de março de 2005

O Rei, o Sábio e o Bobo

"Entre todas as qualidades do rei, a mais importante era a capacidade de reconhecer as suas limitações. Face a qualquer circunstância delicada, não hesitava em consultar aquele a quem todos chamavam sábio, uma personagem ponderada cujos conselhos valiam ouro. Como o rei era suficientemente prudente para reconhecer os seus limites, também gostava de consultar aquele a quem nomeava com afecto o bobo."
Shafique Keshavjee in O Rei, o Sábio e o Bobo, pg. 13

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...