segunda-feira, 14 de fevereiro de 2005

A noite da Lua

E em noite de Dia de Namorados, a Lua não estava sózinha no céu. Havia Estrelas à sua volta, muitas a namoriscá-la. Mas ela estava em fase de crescimento, incompleta, não tinha sequer chegado a quarto, e não lhes ligou meia. Sentia-se apenas acompanhada, mas não era as estrelas que ela ansiava. Essas eram companheiras de vida, sempre que as nuvens não se intrometiam à contemplação dos olhares terrenos. Apesar de estarem quase sempre juntas, a Lua sentia-se distante das Estrelas, noutra dimensão, noutro plano. O que ela procurava era a companhia quente e terna do Sol, mas por causa do destino, limitavam a cruzar-se ao nascer do dia e da noite.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...