quarta-feira, 26 de janeiro de 2005

Vontade de pintar

Quando era pequenina, e isso já foi há uma eternidade, gostava de fazer desenhos e pinturas, em qualquer tipo de material. A prova é que, pelas diferentes divisões da minha casa, existem vasos e outros objectos pintados por mim, em momentos de profunda inspiração, e até são dignos de estarem expostos aos olhares de todos.
Infelizmente, à medida que fui crescendo, a veia artística foi diminuindo de tal forma que hoje se limita ao envernizamento de conchas, aos arranjos florais e à gastronomia. Até o ponto cruz, que tanto prazer me dava por exercer efeitos tranquilizantes, deixei. Digo infelizmente porque se tivesse um traço firme, e se, das minhas tentativas, alguém conseguisse perceber qualquer coisa, sem ser um amontoado de riscos, já saberia o que fazer da vida.
De vez em quando, porque me apetece dar azo à criatividade e "soltar a pintora" que gostaria que houvesse dentro de mim, tento desenhar, mas o resultado é tão desastroso que decido imediatamente não gastar dinheiro em materiais de pintura. Não valeria a pena, já que o que conseguiria não ultrapassaria a frustração, e essa, além de existir, já tem causas mais do que suficientes.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...