domingo, 28 de novembro de 2004

E até pode ser bom

E até pode ser bom não estarmos apaixonados, não sentirmos a ansiedade que antecipa um encontro a dois, não nos angustiarmos com os atrasos que têm quase sempre justificações difíceis.
Pode ser bom não nos colocarmos sempre em segundo lugar com valorizações insensatas do objecto dos nossos mais profundos sentimentos que, quase sempre, são descabidas porque não correspondidas.
É seguramente bom termos tempo para gostar de nós, para nos olharmos ao espelho e sentirmos que o reflexo da nossa imagem é muito mais bonito do que algum dia imaginámos, que a nossa própria companhia é agradável e que não se está nada mal sózinho. Não para sempre, mas de vez em quando. É bom saborearmo-nos, ouvirmos a nossa consciência, deliciarmo-nos com uma receita que fizemos só para nós, gozarmos o silêncio, o espaço e o tempo. Porque acima de tudo, nós valemos a pena!

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...