terça-feira, 31 de agosto de 2004

O passado reencontrado

Olá, "tu do meu passado", ainda bem que te encontro hoje e espero que por mais um pouco. Acompanha-me nos momentos de tristeza e de solidão. Diz-me que sim, que não partes ou desapareces uma vez mais, como se nunca tivesses existido e fosses apenas mais um dos meus fantasmas, dos meus receios imaginários ou dos meus sonhos.
Sim, fica, apenas por um instante, mas fica. Até eu já não chorar... E hoje, eu choro. Muito.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...