terça-feira, 10 de novembro de 2015

Talvez fosse da tristeza...

De repente tomou consciência que se sentia triste sempre que lhe apetecia escrever. Uma tristeza justificada, com causa e motivo concreto, bem definido e identificado. Talvez a tristeza fosse a sua principal fonte de inspiração. Talvez por isso as suas palavras estivessem banhadas de lágrimas, ora contidas, ora corridas, cheias e salgadas. Quanto mais longe da infância maior o sentimento de fragilidade que a assolava. Sentia-se sensível e tão vulnerável quanto uma canoa de único remador em pleno mar alto num dia de tempestade agravado por ventos ciclónicos. Perdia auto-estima com facilidade e estava cada vez mais necessitada de reforço acolhedor e reconfortante. Quando não o sentia, por via de um olhar, de uma palavra amiga ou de um abraço forte e aconchegante, acabava por se refugiar em si mesma, no caderno e na caneta porque as palavras eram genuínas e as linhas onde escrevinhava não a julgavam nem atraiçoavam.

Era à noite que mais escrevia e também era durante a noite que a tristeza a visitava com mais regularidade e intensidade. Talvez ninguém compreendesse estes estados de alma tão tardios que a levavam a ficar noites sem dormir escrevendo sem parar. Talvez ela não se importasse com isso. Ou talvez se apercebesse da indiferença e calada se contivesse de outras formas de expressão...

A tristeza é um sentimento desconcertante porque tão verdadeiro quanto intolerável mas sabia que com ele se sentia segura porque nunca a abandonava. A noite era boa conselheira porque longa e, por vezes, interminável. Tinha início e meio mas o fim parecia não querer chegar. Talvez até, por vezes, lhe faltasse a paciência e a capacidade para gerir a tristeza e talvez fosse por isso que pegava na caneta e no caderno, que já tinha poucas linhas vazias, e dava azo à liberdade de pensamento deixando a tinta desenhar letras conexas que relatavam um pouco do que sentia... Talvez fosse da tristeza...

São Tomé, 10 de Setembro de 2014 

A internacionalização de Lisboa. Paradiplomacia de uma cidade

Motivo de ORGULHO!!! Um projecto que deu um infinito prazer multiplicado por muito trabalho, stress qb e um verdadeiro espírito de colabora...