segunda-feira, 6 de abril de 2015

Sobre a arte de viajar... ou com a viagem no pensamento


Preparar uma viagem que se idealizou requer uma preparação cuidada e sistemática. Sempre e inevitavelmente. A viagem é um momento assumido com seriedade e gerido com rigor; é uma empreitada importante que liga expectativas e realizações através de uma linha à qual damos o nome de vivências. E, em tempo de viagem, o desejo é que as experiências vividas sejam únicas e inesquecíveis porque sabemos que serão certamente irrepetíveis. A água não passa duas vezes debaixo da mesma ponte e a viagem que se empreende é vivida apenas uma vez, jamais se repete da mesma forma. Olhar para o interior de nós mesmo é o primeiro passo para que a viagem corra de acordo com o desejado. Fazer a revisão do que vivemos antes e das experiências anteriores é um exercício prévio que ajuda a reduzir as possibilidades de insucesso ou de frustração, sobretudo se o destino for visitado por repetição. Preparar a viagem não é apenas uma questão de agendamento, implica pesquisa, consulta, leitura, recolha de elementos facilitadores como mapas, endereços e telefones. A viagem começa muito antes de fazer a mala e partir, é uma vivência sentida, interiorizada e esperada que também tem continuidade para além do regresso ao se tornar presente através das histórias eternizadas, das fotografias revisitadas e partilhadas e das emoções relembradas.

em 18 de Agosto de 2014, a preparar nova incursão a São Tomé, sem o Príncipe

Kuma di curpo... curpo sta bem

Ontem foi o dia em que conversei calmamente com um amigo que partiu porque teve de se ausentar deste mundo por ter sido chamado para outras...