sábado, 12 de abril de 2014

Escrevinhar...

Desde que, com alguma consciência, me lembro de mim mesma há um caderno e uma caneta que me acompanham para todo o lado. Um caderno que pode ter a forma de bloco, agenda ou folhas soltas e desordenadas - um espaço vazio que aguarda pelo traço por vezes irregular da minha mão, onde posso registar com total liberdade o que vejo, o que penso, o que sinto ou o que simplesmente me apetece dizer ao Mundo em determinado momento. Um espaço em branco que me serve de companhia e me permite voar para outros contextos, outros mundos e assumir outras personagens que tranquilamente misturam ficção com realidade. A caneta não é importante - desde que escreva pouco me importa a cor.
Escrevo muito. Há muito. E desenho rabiscos nos intervalos para me apaziguar. Muito do que escrevo não divulgo porque há uma esfera de intimidade privada que jamais é relatada por não ter qualquer interesse para quem lê e não viveu as situações, não partilhou os momentos, simplesmente não esteve lá. Muito do que escrevo em determinado momento, ao ser lido e relido soa a mensagem desconexa, logo não pode sair da folha rabiscada e tantas vezes reescrita.
São muitos os cadernos e bloquinhos que guardo religiosamente como se fossem um apêndice de mim mesma. E se calhar são porque, em parte, evidenciam o que me vai na alma, as ideias que surgem, as que fogem a correr e as que vão permanecendo. Por cá andam protegidos e resguardados dos olhares alheios que certamente não compreenderiam muito do que ficou registado. Só eu sei o significado de cada texto identificado com uma data e um local e de cada caderno que acumula palavras e desenhos. Mas nesta altura até eu fico perplexa: escrevo num bloco e num caderno em simultâneo, o que, tenho de admitir, traduz algum caos na organização da minha escrita...

São Tomé e Príncipe, Abril 2014

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...