quinta-feira, 10 de abril de 2014

Deixa-me contar-te um segredo

E no meio da conversa acabou por me confidenciar:
- Deixa-me contar-te um segredo: aqui a vida passa por nós sem pedir licença. Resta-nos cumprimentá-la e, por vezes, agarrá-la com um abraço.
- O que sinto quando aqui chego é uma transformação interior que apenas se percebe pelo sorriso permanente - respondi - aqui sinto-me feliz, compensada e descansada. Tem sido sempre assim, dia após dia, semana após semana, mês após mês... ano após ano... apesar de, por vezes, continuar a ter sensação de que continuo ligada a experiências passadas - reforcei - é até estranho...
- Fixares-te em vivências que um dia tiveste é um erro, tanto aqui como noutro lugar. Tens de viver em função do que serás e não deteres-te no que foste - respondeu num tom sábio e um pouco paternalista.
- Mas não acreditas que o que somos é o reflexo do passado, das experiências, dos momentos felizes e também de tudo que nos derrotou. Eu acredito nisso... E daí talvez nem sempre seja fácil regressar onde se foi feliz. O espaço fica marcado por lembranças... como se quem connosco partilhou momentos nunca tivesse partido completamente - repliquei.
Ele calou-se e, fixando o olhar num ponto que eu não consegui identificar, respondeu-me de forma directa e simples:
- Já pensaste que a melhor forma de regressares a um qualquer local que te marcou sem te prenderes excessivamente nas imagens que criaste ou nos momentos que viveste, tenham sido felizes ou não, é seguires o olhar dos outros e tentares perceber o que pensam e o que sentem. A vida continua para além de nós mesmos e do que registámos em determinado momento. Tenta ver através dos olhos dos outros. Os teus vão certamente enganar-te porque te levarão de novo ao passado.

São Tomé e Príncipe, Março 2014

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...