sábado, 12 de abril de 2014

A retoma


E, pouco a pouco, a vida retoma a normalidade, ou o que é suposto ser. Não sei bem o que deve ser o padrão da normalidade e também não estou com pressa de o reencontrar. Há tempo, parece-me. E devagar, devagarinho, vou seguindo o meu caminho contra muitos olhares que não compreendem estes meus estados de alma, nem os meus gostos, nem as minhas vontades. Sempre que de lá regresso o desencontro de ideias e de vontades é o mesmo. Na verdade há quem nunca tenha entendido o porquê. E provavelmente há quem jamais aceitará. Eu sei...

No rescaldo de São Tomé e Príncipe, Abril 2014

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...