terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Viver é bom, eu gosto... parte 1

Viver é bom, eu gosto. Mas apesar de gostar tenho de reconhecer que, de tempos a tempos - com muito maior frequência do que gostaria ou desejaria - a minha estrela da vida tem-me posto à prova. Ainda não percebi porquê, ou para quê. Acredito, ou tenho acreditado, que seja uma forma de crescer e me tornar numa pessoa melhor. Mas ainda não percebi bem se esta é a verdade, ou a principal razão, porque há tanta gente que passa por tanto e nem por isso aprende ou se torna melhor. Seja como for, ou tiver de ser, ainda acredito que cada tropeção me faz aprender qualquer coisa. Já dei os meus, é verdade. Diria até que alguns foram excessivos ou evitáveis e talvez por isso hoje seja como sou. Os anos têm passado de forma rápida, parece-me que nem sei por alguns passarem mas na verdade, ao olhar para trás, percebo que me fui modificando e cada ano tem resultado num processo de aprendizagem. Ou melhor, de tropeções com algumas queda. Mas tenho a consciência que me tenho conseguido levantar mesmo que, por vezes, esse exercício tenha requerido algum esforço.

Kuma di curpo... curpo sta bem

Ontem foi o dia em que conversei calmamente com um amigo que partiu porque teve de se ausentar deste mundo por ter sido chamado para outras...