terça-feira, 23 de outubro de 2012

Como o macaco do conto: cego, surdo e mudo...

Os relatos de torturas na Guiné-Bissau continuam e os pormenores são absolutamente atrozes e de uma desumanidade impensável. Basta consultar algumas páginas da net (blogs, jornais digitais, grupos, facebook...). Não há quem pare esta gente? O que é feito da comunidade internacional? Ainda têm dúvidas e não querem ser acusados de ingerência??? E entretanto... como ficam as consciências de uns e de outros, deixando que alguns lunáticos que se sentem guerreiros do Apocalipse, agindo de forma mais cruel do que o mais feroz dos animais, continuem a agredir, a mutilar e a matar...? Para que servem afinal as organizações internacionais de carácter humanitário, tão defensoras dos direitos humanos, mas se calhar só no conforto da poltrona, e que se apelidam de cooperantes??? Seguramente que estou a passar por uma fase mais do que crítica e céptica... mas sou incapaz de compreender a ausência total de acção, incluindo por parte das representações estrangeiras no país. Fazem-me lembrar o macaco que, para não se comprometer, declara-se cego, surdo e mudo...

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Once again... o medo reina em Bissau

Não, não parece ser justo e, em boa verdade, não é. A Guiné-Bissau está de novo a viver sob o clima do medo... Ataques verdadeiros ou supostos, mortes, perseguições, detenções e desaparecimentos com ou sem mais mortos. Está prestes a instalar-se o clima do terror. Ninguém merece viver assim, a pensar que um qualquer dia pode ser o seu e que esse dia está tão próximo que pode ser o já e o agora. Ninguém - ou quase - gosta de pensar no dia em que tudo muda.
Tenho para mim que viver com insegurança e na incerteza não é viver. É como se soubéssemos antecipadamente em que dia iríamos morrer e ainda com a certeza de termos o bónus da tortura mais ou menos violenta. Pior do que sentirmos que esse era o nosso fado seria olharmos para os que queremos muito e de quem gostamos porque são a nossa essência e sabermos que esse era o seu destino. Não queremos sofrer, e muito menos sem percebermos porquê, mas imaginarmos que os que mais amamos nesta vida estão a sofrer... faz-nos sofrer duplamente. É de enlouquecer a mente mais sã...
Viver em clima de medo permanente, a pensar que o que quer que seja pode acontecer, ver os dias a fugirem como se um qualquer monstro corresse desenfreadamente atrás de nós não é viver. É sobreviver aos impulsos, aproveitando os minutos que nos deixam como se fosse uma benesse. É olhar os dias a prazo e sabendo que a validade está a expirar...
E a pergunta que repito vezes sem conta, com o aperto no coração que sentimos quando ao olharmos para o que gostamos vemos possibilidades reais de destruição, é: quando é que o povo guineense terá paz, uma paz desejada e merecida..?! Porque tudo o resto não passam de pormenores que alguns procuram perpetuar sem sentido... 
E ainda me dá vontade de dizer bem alto para que todos oiçam: OLHEM AS CRIANÇAS NOS OLHOS E DIGAM-LHES, POR FAVOR, QUE ELAS SÃO O FUTURO DE UM PAIS FANTÁSTICO. NÃO AS DESILUDAM... POR NADA...

terça-feira, 16 de outubro de 2012

É bom o frio...

O frio não chegou ainda mas, de vez em quando, faz uns ligeiros ameaços reconfortando-me. Sim, espero-o há tempo como se de um amigo distante se tratasse. A presença dele leva-me a enroscar mais vezes em ti e a sentir o teu calor. É bom o frio. De vez em quando, nem que seja...

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Faz hoje 10 anos... :-)

Da varanda da Roça de S. João, a baía de Angolares
Hoje é mais um dia especial. Faz 10 anos que estava a ultimar os preparativos para uma experiência inesquecível. E como tudo o que é inesquecível provavelmente irrepetível mas muitas e muitas vezes relembrado. Faz hoje 10 anos que fui para São Tomé e Príncipe, com a cabeça repleta de expectativas de um futuro que se abrisse a novas oportunidades após a conclusão do doutoramento. E depois... depois a coisa fez-se, já lá vão 7 anos e meio. E depois desse momento também inesquecível, veio um pós doutoramento de 6 anos com mais coisas pelo meio. As expectativas de que o mundo se abrisse em oportunidades permaneceram mas, para dar razão ao Murphy que engendrou a lei, o mundo não só não se abriu como até parece que se fechou. Uma coisa é certa: mesmo que essas expectativas jamais se venham a cumprir, as experiências e as vivências inesquecíveis ficam comigo para sempre. E também o carinho por esse magnífico país que me acolheu como só STP e os santomenses sabem fazer, jamais se esquecem!

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...