sábado, 1 de setembro de 2012

Gosto de ilhas

O que sempre me encantou nas ilhas, e em particular naquelas, foi a sensação de que ali a evasão não só é possível como se transforma em realidade. É possível ser diferente, criar situações, encarnar personagens, viver sonhos. Basta querer. As ilhas influenciam de tal forma a nossa interioridade que é fácil acreditar que a transitoriedade é a constância, que o efémero é perene, que a ilusão é a verdade. Se conseguirmos aceitar esta mistura que muitas vezes se molda numa indefinição difusa, então as ilhas são o melhor lugar para se visitar e até viver. Eu gosto de ilhas. Transmitem-me tudo isto e, ainda mais importante, paz!

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...