sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Magias...

Podia regressar vezes sem conta que a magia permanecia em todos os locais, nas tonalidade, nas formas, nos cheiros, nos paladares, nas pessoas, nos sorrisos, nas conversas... Tudo tem um não sei o quê de encantatório, como se nos tocassem com pós ou nos levassem a beber poções de valorização do que se vê, do que se come, de quem se conhece e do que se faz. Com a distância, para quem fica e para quem parte, o que foi a realidade minimamente vivida passa a ser lembrado como a feliz eternidade...

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...