sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Magias...

Podia regressar vezes sem conta que a magia permanecia em todos os locais, nas tonalidade, nas formas, nos cheiros, nos paladares, nas pessoas, nos sorrisos, nas conversas... Tudo tem um não sei o quê de encantatório, como se nos tocassem com pós ou nos levassem a beber poções de valorização do que se vê, do que se come, de quem se conhece e do que se faz. Com a distância, para quem fica e para quem parte, o que foi a realidade minimamente vivida passa a ser lembrado como a feliz eternidade...

Ali sinto que vivo...

Av.12 de Julho, São Tomé
Aquele é um sítio repleto de locais mágicos que me trazem conforto, uma sensação de regresso às origens. Não! Nem tudo é perfeito por lá. Mas as emoções que tudo me transmite continuam a ser de reencontro, de apaziguamento, de vida. A maioria das pessoas não entende quando o digo mas ali sinto, mais do que em qualquer outro lugar, a vida a correr em mim, a fluir ora de forma acelerada com o empolgamento da juventude, ora com calma e ternura de uma maturidade recente. Ali sinto que vivo...

Percepção de "déjà vu"


Praia Piscina, São Tomé, Agosto 2012
Num ou noutro dia, a sensação foi de "déjà vu", como se algumas situações que se estavam a viver já tivessem ocorrido. Não com estas pessoas, com outras, mas por momentos, e como se apenas a percepção de um flash me permitisse tomar consciência do que se estava a passar, visualizei fotografias antigas que foram sendo registadas na minha memória. Dez, doze anos, uma eternidade que se perpetuou e que, com o passar do tempo, me permitiu reter mais os bons momentos do que os de incerteza e angústia. Ainda não consigo definir com exatidão se é o contexto que determina as minhas percepções ou se, na verdade, o que tantas vezes presencio é pura e simples realidade. Algumas histórias parecem repetir-se apesar dos contornos serem diferentes, talvez mais difusos e menos evidentes. Ou talvez seja eu que os defino assim. Com o regresso, a sensação de "déjà vu" não se atenuou, antes pelo contrário, talvez tenha sido mesmo reforçada. A distância em relação ao que se observa e vive ajuda a conjugar as peças que pareciam estar fora do puzzle. E vale a pena? Vale sempre a pena!

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Inspiração...

A minha última estadia em São Tomé foi profundamente inspiradora, aliás como sempre. As ilhas têm um efeito em mim que resulta numa percepção diferenciada do tempo com valorização dos momentos vividos. Não sei se com os outros se passa o mesmo, ainda não percebi. Mas, na verdade, tenho a sensação de que por lá vivo de uma forma mais intensa e com um sentido mais positivo.  

Habitualmente escrevo muito quando estou em São Tomé e este blog começou, em parte, por ser o resultado desse misto de inspiração com vivências intensas. Desta vez, escrevi menos. Involuntariamente e sem grande consciência... A inspiração acompanhou-me na mesma mas retive-a numa espécie de contenção que nem sempre é positiva. 
Alguém disse-me um dia que quando se escreve menos vive-se mais. Quem me disse isso foi uma pessoa que habitualmente não gosto de recordar mas tenho de reconhecer que até tinha razão quando me dizia isso com ar supostamente sábio (supostamente porque não era uma pessoa muito credível...). 
A semana passou rápido, as actividades multiplicaram-se e os tempos para a escrita escassearam. Quem sabe se com uma espécie de inspiração distanciada não retomo a abertura de alma de anos anteriores pelos canais da blogosfera...

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Regressar ao local onde se foi feliz


Diz-se por aí que não devemos regressar aos locais onde fomos felizes. Não percebo porquê e não concordo. Passo a explicar: os locais onde fomos felizes estão, para nós, carregados de valor simbólico já que, por tudo e por nada, o presente é invadido pelas recordações ternas dos que achamos que foram os melhores momentos de uma vida. Não que não possamos viver outros tão bons ou melhores no mesmo local ou noutro, com as mesmas pessoas ou outras. Mas tendemos a associar ao espaço imagens e representações que o enriquecem e reforçam, fazendo com que para nós passem a ser locais especiais. Gosto de regressar aos locais onde fui feliz. Volto a ser feliz, uma e outra vez, tantas quantas as recordações permitirem sem que isso me impeça de sentir felicidade de outras formas. E com o passar do tempo, aquele é um lugar feliz só porque as vivências felizes são tantas que acabam por se entrecruzar da forma mais feliz que é possível. São Tomé é o meu lugar feliz :-)
Praia do Governador, 25 de Agosto de 2012

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Seminário Internacional "Alterações Climáticas e suas repercussões sócio-ambientais" - NOTA DE IMPRENSA

NOTA DE IMPRENSA

 

Entre 20 e 23 de Agosto de 2012 realiza-se em São Tomé e Príncipe o Seminário Internacional "Alterações Climáticas e suas repercussões sócio-ambientais". A organização do evento é o resultado de uma parceria internacional entre entidades públicas de São Tomé e Príncipe (Direcção-Geral do Ambiente e Direcção de Florestas), Universidades e Centros de Investigação Científica de Portugal (Observatório de Relações Exteriores da Universidade Autónoma de Lisboa e Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa) e espanholas (Centro de Extensión Universitária e Divulgación Ambiental de Galícia e Universidade de Santiago de Compostela), Organizações da Sociedade Civil (MARAPA, Associação Portuguesa de Educação Ambiental, Associação Internacional de Investigadores em Educação Ambiental).

Está prevista a realização de visitas, no âmbito das quais serão desenvolvidas atividades práticas e dois dias (22 e 23) de debates em sala, que decorrerão no Palácio dos Congressos, na cidade de São Tomé.

Para além da reflexão e do debate, marcadamente contextual e de orientação mais teórica, com a realização deste evento procura apresentar-se um contributo pragmático, estando prevista a realização de ações de formação e de intervenção in loco com grupos comunitários, de jovens, escolas, representantes da sociedade civil e de entidades públicas.
Tanto a reflexão como as ações a promover são orientadas a partir de grandes eixos temáticos: o mar; as florestas; a biodiversidade; o turismo; as atividades agrícolas; a pesca; a gestão de rssíduos; e a Educação Ambiental, tendo como grande eixo orientador a cooperação internacional. Por outro lado, os atores que intervêm na identificação local, nacional e internacional dos problemas e das medidas estratégicas a implementar são entendidos como centrais para a troca de experiências e de conhecimentos.

Os resultados que se espera alcançar são: 

1.       contribuir para uma reflexão alargada e debate crítico e construtivo entre atores locais e internacionais; 

  1. dar continuidade a ações anteriormente iniciadas;
  2. reforçar conhecimentos mediante a capacitação de grupos previamente identificados a nível local e que são considerados como grupos-chave para a promoção de mudanças; 
  3. estabelecer parcerias para o desenvolvimento de projetos com equipas interdisciplinares e internacionais

Tal como tem vindo a suceder em eventos anteriores, tratando-se de uma organização em parceria de âmbito internacional com envolvimento de diferentes tipos de entidades, procura-se uma aprendizagem de todos, com o envolvimento de todos porque, acima de qualquer outra preocupação, o que move este tipo de eventos é a construção de mudanças com continuidade, ao longo do tempo, seguindo os princípios da sustentabilidade.

Mais informações em: http://climatechangestp2012.weebly.com ou pelo email climatechange@gmail.com

 

.

 

 

 

A internacionalização de Lisboa. Paradiplomacia de uma cidade

Motivo de ORGULHO!!! Um projecto que deu um infinito prazer multiplicado por muito trabalho, stress qb e um verdadeiro espírito de colabora...