domingo, 20 de março de 2011

Dia do Pai, com atraso...

Ontem passei por aqui de fugida. Apetecia-me falar contigo e, por isso, não te escrevi. Falámos longamente, de forma subentendida e tranquila, envolvidos pelo silêncio reconfortante de um final de tarde solarengo. Ontem foi um dos teus dias e foi bom rever-te através do pensamento, chamar-te para junto de mim, abraçar-te e dizer-te algo que tu bem sabes, espero: que gostava muito de ti, apesar de “seres tão feio”, que eras o “meu girassol”. Lembrei-me de como era reconfortante, em pequena, dizer “olha que vou chamar o meu pai”, como se fizesses parte de uma rede que me suportava e me dava segurança. Na verdade davas! Ainda continuas a dar e, por isso, tantas vezes me apetece voltar a dizer “olha que vou chamar o meu pai”. Lembro-me de ti todos os dias e, de quando em vez, chamo-te para junto de nós, para nos apaziguares e nos reconfortares porque, na verdade, fazes-nos uma falta inimaginável. Ontem foi Dia do Pai, e tu foste o melhor Pai de todos os Pais.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...