quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Muito adequado nos dias que correm

“Porém, agora parece que a ordem exige que eu, em primeiro lugar, classifique todos os meus pensamentos e investigue em quais deles existe propriamente verdade ou falsidade. Alguns são como que imagens das coisas e a estes apenas convém propriamente o nome de ideia, como quando penso um homem, uma Quimera, ou o céu, ou um Anjo, ou Deus. Outros têm aspectos diferentes destes: assim, quando quero, quando temo, quando afirmo, quando nego. Apreendo sempre, nestes casos, qualquer coisa como objecto do meu pensamento, mas além disso junto ao pensamento algo que está para além desta semelhança com a coisa: desta classe de pensamentos uns dizem-se vontades ou afectos, outros juízos.”

Descartes in “Meditações sobre a Filosofia Primeira”

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...