sábado, 26 de abril de 2008

O descanso do guerreiro


Está de regresso, finalmente. Veio são, salvo, bem disposto, gordo e bem tratado. Está feliz de novo em casa e a reconhecer a tranquilidade e o sabor prazenteiro do "lar doce lar".

domingo, 20 de abril de 2008

Seminário Internacional, São Tomé, Julho 2008

Para uma melhor visualização, clicar na imagem

Idade noutros Planetas

É engraçado percebermos que idade teríamos se tivessemos nascido noutros planetas. Acho que de todos escolheria Marte porque nesta altura teria 21,7 anos e poderia viver com entusiasmo um dos períodos em que fui tão feliz!!! Deslumbrante, efusiva, inocente e esperançadamente feliz! Para o cálculo ver aqui

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Olhos e olhares

Por mais que quisesse ser jogadora de Poker jamais seria bem sucedida. Poderia até manter uma calma aparente em determinadas circunstâncias, incluindo os momentos mais constrangedores, mas uma parte de si traía-a sempre: os olhos. Um dia deu consigo a pensar que, nas mais diversas situações, os olhos diziam tudo, ou quase, do que lhe ia na alma. E a traição de si mesma acontecia nos momentos em que era suposto não revelar o que era mais essencial: as emoções e os sentimentos. Assim era quando se encantava, apaixonava e deixava seduzir, mas também quando se aborrecia zangava e estava prestes a explodir, ou quando se desiludia e entristecia. Os olhos eram o seu ponto fraco que, na verdade, evidenciavam as profundezas de si mesma apenas com um olhar...

 

quarta-feira, 16 de abril de 2008

Blogo-desabafo

A blogosfera tem destas coisas, nem sempre boas, que nos obrigam a tomar atitudes um pouco mais radicais. Não sei se definitivas mas, para já e até ver, o funcionamento deste blog foi a partir de hoje alterado. É motivo para dizer "NO COMMENTS". E passo a explicar porquê:
Sempre achei alguma graça à interacção traduzida pela troca de mensagens propiciada pela escrita e leitura de um qualquer texto, mesmo que não conheça o autor. E posso dizer que até à data tenho entendido esta troca de comentários com bastante sentido de humor, já que algumas mensagens me divertem por terem graça no tom e nas palavras. CONTUDO, outros comentários, mais recentes, têm sido marcados pelo tom abusivo e desnecessariamente vulgar, chegando inclusivamente a ser ofensivos e particularmente desagradáveis não apenas para mim mas também para os mais de 110 visitantes que por aqui passam diariamente. A partir de agora, e "sine die", NO COMMENTS!

Bungalows e Ecoturismo em Tombali

E para quem tiver dúvidas, os bungalows do Projecto Ecoturístico U’Anan, em Iemberem, na região de Tombali no sul da Guiné-Bissau, junto à fronteira da Guiné Conacry, estão prontos e já foram experimentados. Ao que consta estão confortáveis, bem contextualizados e ambientalmente integrados, promovendo também uma valorização das comunidades envolventes. Esta é uma iniciativa das ONGDs IMVF e AD

 

 

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Ninhos de chimpanzé e trilhos de passagem de grandes mamíferos

Foto 1 e 2 - Trilhos de passagem de grandes mamíferos, Região de Tombali, Florestas de Cantanhez, Guiné-Bissau, Fevereiro de 2007

Foto 3 - Ninho de Chimpanzé - onde pernoitam e dormem enrolados nas folhas que ficam com este aspecto, Região de Tombali, Florestas de Cantanhez, Guiné-Bissau, Fevereiro de 2007

Constatação

Por vezes paro para pensar que para algumas pessoas falar em exigência e rigor é uma coisa estranha. Penso nisto quando, ao falar em alguns critérios, me apercebo dos olhares de perplexidade e incompreensão que me são dirigidos como se eu fosse extraterrestre com antenas verdes... Há coisas fantásticas, de facto!

Mails da treta e violência para os olhos e o espírito

De vez em quando, diria até com maior regularidade do que gostaria, recebo filmes por mail em que o tema se centra à volta de acidentes aparatosos, atropelamentos, aviões que se despenham, entre outras atrocidades. Não entendo e questiono-me com frequência: qual é a graça que uma pessoa pode encontrar neste tipo de mensagens. Os “mails da treta” servem de distracção, para descontrair intervalando um trabalho intenso e árduo, podendo ser entendidos como um elemento de lazer naqueles momentos em que sentimos a massa craniana a estalar. É uma forma como outra qualquer de fazer um “intervalinho pedagógico”, de dar a possibilidade aos neurónios de se espreguiçarem para que, de seguida, se voltem a concentrar com mais cuidado, atenção e afinco. Mas, no meu caso, o efeito destes mails é inverso e em vez de me sentir descontraída, depois de ver estas imagens o meu espírito evidencia ainda maiores sinais de cansaço e a fadiga invade todas as células do meu corpo, acompanhados por uma sensação de revolta e desconforto psicológico.

 

quinta-feira, 10 de abril de 2008

E a saga continua...

E a saga continua! O pé continua negro e inchado, apesar de menos, as dores são resistentes perante a falta de descanso, o tempo não aparenta tendência para melhorar, a confusão entre listagens de participantes, títulos e resumos é mais do que muita. Eu tenho sono e saudades do meu "pequeno beiças". Bom... ainda não posso ir buscar o "fuça" porque não posso passeá-lo... por isso, vou dormir!!! Se não consigo solucionar os dois problemas... pelo menos um fica sanado!!! E vou dormir enquanto penso que, no meio deste temporal de vento frio e chuva, ele deve estar bem enroladinho a sentir o calor da box aquecida. Beiças, resguarda-te, é um conselho de dona amiga!!! E daqui a uns dias, espero que poucos, voltas para a tua casinha!!!

domingo, 6 de abril de 2008

Sobre o Amor

Amor em Tempos de Cólera é um filme sobre o Amor. A imagem que quase sempre idealizamos de um sentimento puro e desinteressado e que quase sempre resulta de forma inesperada numa sequência de acontecimentos pouco felizes. Aqui a ideia que passa é que este sentimento existe mesmo, pode ser raro mas, de quando em vez...
E mais raro é aquele homem, de seu nome Florentino, que revela uma sensibilidade extrema associada a uma dedicação infinita e a uma disponibilidade para a espera que custa a acreditar ser possível. Pelo menos nos dias que correm...
"O amor é como o mar, infinito e eterno..." - simplesmente delicioso!!!

sábado, 5 de abril de 2008

I Congresso Ambiente e Sociedade

E hoje, entre aulas, conversas de trabalho e avaliação de fichas temáticas, fui a Odivelas participar no I Congresso Ambiente e Sociedade promovido pelo Instituto Superior de Ciências Educativas. Mais uma experiência enriquecedora a pensar no Ambiente e na Sociedade, partilhando experiências portuguesas, galegas e africanas.

sexta-feira, 4 de abril de 2008

Incómodo...

Pensar que este aparelhómetro ao estilo de tala é melhor do que o gesso não é de todo verdade. Estou cansada, incomodada e com dores, além do mal estar que tudo isto provoca. E andar de um lado para o outro com o computador portátil de 17 polegadas atrás é melhor ainda... Bufffff!!!!

terça-feira, 1 de abril de 2008

Déjà vu...

Há alturas em que, qual Lei de Murphy, tudo o que tem de acontecer... acontece!!! As condições astrais parecem encontrar-se e, de forma bem cuidada, tornam os dias de uma pessoa numa sucessão de acontecimentos pouco felizes. O meu pé esquerdo voltou a sofrer os percalços e o desconforto de quem não vê por onde anda, fazendo relembrar momentos e vivências de STP, algures em Janeiro de 2003. Tinha acabado de regressar de Lisboa, após o Natal passado em família como é hábito e manda a tradição. Convidaram-me para ir fazer uma prospecção de um novo percurso de caminhadas no norte da ilha, bem no meio da floresta e eu aceitei contente e feliz porque era mesmo para isso que lá estava. A correr fui até casa buscar umas botas de borracha, para reduzir os riscos de um encontro com uma ou outra cobra preta. E sempre correndo coloquei mal o pé na borda de um passeio onde tinha havido uma obra e que não ficara concluída, e, truz catrapus, lá fui parar ao chão para deleite de alguns santomenses que arranjavam quase eternamente o telhado do que viria a ser o edifício de espaço comum no bairro. Além de ter rasgado as calças, senti o pé inchar rapidamente e, ao olhá-lo, percebi que o cenário não era brilhante pois a pele estava já arroxeada.
Depois de tudo acabei por não conseguir andar, pelo que a possibilidade de realizar aquela caminhada virava sonho. O dia foi passado com gelo, recordo-me como se fosse hoje e, ao chegar à noite, tinha o pé num trambolho tão grande e com tão mau aspecto que lá fui ao Hospital ter com um médico português que lá prestava serviço e que conhecia há algum tempo. O diagnóstico não poderia ser mais animador: gesso ou internamento para manter o pé quieto e inactivo. A sensação que tive foi a de que durante três longuíssimas semanas o tempo pararia e a minha permanência não fazia qualquer sentido, sobretudo por não haver sequer canadianas disponíveis, nem pagando. Tudo acabou por se organizar, todos me convenceram a ficar e produziram umas muletas bem artesanais que resolveram o problema na altura.
Ontem, inexplicavelmente, tive a estranha sensação de déjà vu porque, uma vez mais, a dor voltou depois de colocar mal o pé num desnível de alcatrão, o pé voltou a inchar e eu lá fui fazer radiografias. Desta vez não saí de gesso mas com uma nova aparelhagem que me obriga a manter o pé quieto e imobilizado. E assim vou andar de novo durante 3 semanas, intercalando com a perna esticada em cima de uma cadeira para descansar. Diagnóstico...?! Pois foi ruptura dos ligamentos da articulação entre o perónio e a tíbia. Pode até parecer estranho, já que aparentemente tudo se passa junto ao tornozelo enquanto o perónio e a tíbia ficam mais para cima. Mas, ao que parece, é mesmo assim...!

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...