segunda-feira, 24 de março de 2008

Vento...

Não gosto de vento forte, irrequieto e mal comportando, que leva tudo pelo ar e me enreda num novelo de poeiras sujas, papéis perdidos e plásticos rasgados. Não gosto do vento que emaranha o meu cabelo como se tivesse o poder e o direito de lhe fazer nós sem autorização prévia. Não gosto do vento que me entra pelos ouvidos e me dá tonturas, fazendo com que o desequilíbrio se instale. Não gosto do vento, esse metediço insuportável, que pelos meus lados marca presença, instigado pelo confronto entre a serra e o mar.

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...