quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Maldade

A maldade arrepia-me e provoca-me tonturas. Independentemente da forma e do aspecto com que se revela, é sempre terrível. Denigre e destrói, afasta e prejudica, amarfanha e desconcerta. Sempre que oiço, vejo ou assisto a acções que evidenciam dissimulação maldosa, pensamentos infectados com ânsia de rodopiar em disparate, tenho vontade de estalar os dedos e num passe de mágica desaparecer simplesmente. Combater ou contrariar este tipo de funcionamento psicológico resulta normalmente no inverso do desejado, já que dá a sensação que estas pessoas ficam ainda mais estimuladas em não fazer o bem...

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Bond com 3 meses e meio

Esta é a homenagem que faço ao meu pequeno grande amigo AM, sobrinho, afilhado e "sócio" na ideia de ter novo um cachorro. Este encanto, esta delícia que ora faz companhia nos momentos de tranquilidade, ora é parceiro de tropelias nas horas de maluqueira. Vai crescer com o AM, que hoje faz 8 aninhos e que já o sente como companheiro de passeatas. Parabéns AM e obrigada por me teres levado a este companheiro.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Imagens e representações

De repente apetecia-lhe fechar os olhos e escutar os cinco violinos que no seu imaginário tocavam em harmonia, fazendo-a esquecer a intransigência e a regidez que, de quando em vez, faziam parte da vida dela. Apetecia-lhe estar sentada no campo de relva fresca que estava à frente dos seus olhos quando os fechava e só via imagens tranquilas. E ainda lhe apetecia ver em todos os rostos sorrisos abertos e francos, olhares confiáveis e palavras de simpatia, principalmente perante um esforço.

Até breve São Tomé dos meus encantamentos

E em breve (não tão breve quanto isso mas quase...) lá vou ao meu "must" africano, o local dos meus encantamentos deliciosos. Vou rever a paisagem tranquila das baías e o verde reconfortante da floresta, os sorrisos simpáticos e abertos das pessoas e os olhos ternos das crianças. Vou rever alguns amigos e pôr em prática um projecto sonhado há muito. E vou comer fruta-pão assada, matabala frita (pála-pála), polvo grelhado e santola (ai anisakis...) e frango "rosa mota", omolete com folha de micócó, calulu, sape-sape, banana maçã e jaca com fartura. E tantas outras coisas... Vou revisitar roças e fazer caminhadas, percorrer as praias e sentir o saboroso leve-leve... Até breve São Tomé encantada...

domingo, 20 de janeiro de 2008

Lembrando e recordando o que não se quer esquecer

Ontem fui jantar fora com amigos, coisa cada vez mais rara nos dias que correm. E correm mesmo!!! Foi o jantar de comemoração dos 40 anos de um deles o que permitiu ver algumas, poucas, caras novas e rever muitas caras conhecidas de pessoas de quem perdi o rasto mas que, invariavelmente por ocasião deste aniversário, ano após ano, reencontro. É engraçado olhar para cada um(a) deles(as) e perceber que continuam quase na mesma. Uns mais "cheios", outros mais "secos", uns mais grisalhos e com uma ou outra ruga, ooutros com um ar rejuvenescido. E é bom saber deles, um a um, e constatar que, apesar do tempo os ter mudado e algumas coisas nas suas vidas também, aparentam viver fases felizes.
Ontem falei naturalmente das minhas Áfricas, dos locais por onde tenho andado, do que tenho feito, o que mais me tem marcado no bom e no mau sentido entenda-se, das pessoas que tenho conhecido aqui e ali, dos episódios vividos e que permitem risadas sonoras. E falei, contei, relatei alguns momentos que fui recordando com saudade. A África dos sonhos, das realizações e das desilusóes, a África dos projectos, dos encontros e das novas experiências, onde se vive e aprende como em nenhum outro local por onde tenha passado...
E no final falei das próximas incursões, do que vou fazer, como e com quem, do que espero e da margem de incerteza que sempre me acompanha nestas andanças colorindo e adocicando as idas, as vindas e as lembranças porque na verdade não as quero esquecer...

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Livro Cabo Verde-São Tomé e Príncipe: FNAC

É hoje o lançamento do livro da colega Manuela Cardoso, que resultou da tese de Doutoramento em Estudos Africanos: FNAC do CHIADO, 18h30, com apresentação do Professor Roqgério Roque Amaro.

Alerta para alguns visitantes e leitores...

Alertam-se os fiéis visitantes, bem como os ocasionais, que os pós mágicos e inspiradores, que me ajudam a dar continuidade ao África de Todos os Sonhos, nem sempre resultam de histórias vividas ou de sentimentos reais. Foi o que aconteceu nos últimos posts... basta uma frase perdida no ar e captada pela minha atenção para construir um diálogo imaginário, apesar de possível... :-)

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Afectos repensados

- Se tiveste uma paixão forte, assim tão forte por um alguém que consideraste tão especial, porque não o procuras?
- Porque ele está mais velho e posso decepcionar-me. Acho que não aguentaria mais uma desilusão... seria insuportável e assim continuo ainda a ter a imagem mais positiva dele que algum dia poderia ter...
- Dizes que ele envelheceu...?! Olha uma coisa, já pensaste que, com o tempo, as pessoas vão ficando mais velhas mas, no que respeita aos afectos, o coração jamais envelhece...?
- Não envelhece mas endurece e eu gosto de sentir o meu terno e amolecido. É por isso que não o procuro... não quero sequer pensar em tudo o que me apetecia dizer-lhe... é melhor deixar o tempo passar porque se nos tivermos de reencontrar, mais cedo ou mais tarde, isso acabará por acontecer. Procurá-lo seria como apertar o coração, esfaqueá-lo, martirizá-lo, mutilá-lo muito devagar e isso não quero. Prefiro estar assim, sozinha mas tranquila.
- E lembrares-te dele todos os dias?
- Sim, e recordar-me dia a dia dos momentos que vivemos juntos. Mas se queres saber a verdade, há uma coisa que me conforta e dá força para ir desgostando dele. É que todos os dias vou avivando o mal que passei por causa dele e o quanto ele não me mereceu. Não mereceu um centésimo de miligrama do amor que senti por ele e do afecto que lhe dediquei. Também por isso não o procuro, deixou de ser importante, ou pelo menos o mais importante.

domingo, 13 de janeiro de 2008

A vida e as lembranças

É impossível não sorrir ao ouvir esta canção, e pensar que a vida é um pouco assim...
"Chamava-se Nini
Vestia de organdi
E dançava (dançava)
Dançava só pra mim
Uma dança sem fim
E eu olhava (olhava)
E desde então se lembro o seu olhar
É só pra recordar
Que lá no baile não havia outro igual
E eu ia para o bar
Beber e suspirar
Pensar que tanto amor ainda acabava mal
Batia o coração mais forte que a canção
E eu dançava (dançava)
Sentia uma aflição
Dizer que sim, que não
E eu dançava (dançava)
E desde então se lembro o seu olhar
É só pra recordar
Os quinze anos e o meu primeiro amor
Foi tempo de crescer
Foi tempo de aprender
Toda a ternura que tem o primeiro amor
Foi tempo de crescer
Foi tempo de aprender
Que a vida passa
Mas um homem se recorda sempre assim
Nini dançava só pra mim
E desde então se lembro o seu olhar
É só pra recordar
Os quinze anos e o meu primeiro amor
Foi tempo de crescer
Foi tempo de aprender
Toda a ternura que tem o primeiro amor
Foi tempo de crescer
Foi tempo de aprender
Que a vida passa
Mas um homem se recorda, é sempre assim
Nini dançava só pra mim"
Paulo de Carvalho

Assim vão passando os dias

Ando a escrever pouco, é verdade, e também cada vez menos sobre mim. Pouco há a dizer e o que poderia deixar registado para a posteridade não parece ter grande interesse. Os meus dias têm sido passados ou a trabalhar ou na companhia do meu pequeno amigo que está em rápido crescimento. É um rapaz que requer muita atenção e com o qual apetece estar por ser uma magnífica companhia. O meu “agente secreto” de eleição tem-se revelado uma ternura deliciosa. E assim vão passando os dias de forma tranquila e saborosa.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Tese de Doutoramento e ISBN

A minha tese de doutoramento "Turismo Ecológico: uma via para o Desenvolvimento Sustentável em São Tomé e Príncipe" encontra-se depositada no Repositório do ISCTE com seguinte identificador - http://hdl.handle.net/10071/620 - (podendo consultar-se on line ou fazer download). Ao documento publicado online foi atribuído o seguinte ISBN: 978-989-8154-11-8
A versão em papel da tese tem um ISBN diferente: ISBN: 978-989-8154-15-5
Uma das referências deverá ser utilizada sempre que citada.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

Tempo, esse eterno malandro

O TEMPO é um eterno malandro que teima em passar por mim sem dizer nada, dia após dia, sorrateiramente, não me dando a possibilidade de o agarrar, nem que seja para o cumprimentar. E hoje... já é dia 4 de Janeiro... não tarda estamos no Carnaval e depois na Páscoa, e depois ainda no Verão. E daí ao Natal é um saltinho...

terça-feira, 1 de janeiro de 2008

Delícias culinárias da Família

Pois hoje, como é hábito, reunimo-nos para almoçar em casa da minha irmã, cunhado e sobrinho. O manjar foi cabrito, mais do que gostoso e bem confeccionado. Vá lá... safaram-se bem... andam a aprender algumas dicas comigo!!! ;-) Depois veio a sobremesa que aparece a documentar este post. Um magnífico "Petit Gateau" acompanhado por dois paladares de gelado, menta com café e caramelo. Pois só vos digo que estava divinal, digno dos mais afamados chefs de cuisine.

BENVINDO 2008

2008 CHEGOU!!! :-) De forma animada e bem disposta.
As ruas lisboetas estavam inundadas com gente, os passeios com carros (a EMEL certamente estava a comemorar as 12 badaladas... e deu uma trégua), e o céu com fogo de artifício de todas as cores e feitios. A minha passagem de ano foi diferente do que tem ficado convencionado como a diversão por excelência nestas noites, mas foi muito saborosa e não a trocaria por outra. Fiz a minha "passagem" no teatro. A repetir!!!

A internacionalização de Lisboa. Paradiplomacia de uma cidade

Motivo de ORGULHO!!! Um projecto que deu um infinito prazer multiplicado por muito trabalho, stress qb e um verdadeiro espírito de colabora...