segunda-feira, 19 de março de 2007

Cantas bem mas não me embalas

Ouvindo-o discorrer sobre os momentos desastrosos pelos quais a sua vida passara, pensou “cantas bem mas não me embalas”. Há uns bons anos ter-se-ia sentido sensibilizada pelas palavras confusas; há uns bons meses teria certamente querido acreditar que tudo o que ele dizia era verdade. Hoje só lhe apetece dizer “vai falando até te cansares porque não sou eu que te vou impedir, mas quando estiveres cansado cala-te porque nada do que dizes faz sentido e eu não acredito numa sílaba que seja”. E com alguma probabilidade, amanhã levantar-se-á e deixá-lo-á a falar sozinho, coisa que ele nem notará porque, em nenhum dos momentos, se preocupou com o que ela pudesse pensar ou sentir, o que contava era que falava e que alguém o ouvia.

 

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...