quinta-feira, 9 de novembro de 2006

Cansaço

E de repente o cansaço apoderou-se de mim como se tivesse uma pedra de 300 toneladas em cima das pernas. Hoje, tal como acontece tantas vezes em períodos de intenso trabalho, tomei consciência de que preciso com urgência de andar a pé e fazer exercício. E ainda sinto falta de apanhar sol e contemplar o mar com maior proximidade do que a visão permitida pela minha magnífica janela aberta para o Mundo. Preciso de sentir o cheiro a maresia e apreciar com calma as tonalidades de forma a relembrar-me que aqui bem perto a água também é transparente e cristalina e que o Outono por se fazer ainda quente permite passeios e caminhadas. Falta-me o meu fiel companheiro que me obrigava a descer e subir as escadas várias vezes ao dia para um passeio de descontracção enquanto ele se dedicava, entre outras coisas, a descobrir novos cheiros. É verdade, sinto também a falta da dedicação do meu amarelo de fuça preta e olhos ternos...

 

A escrita e os artefactos

Para quem gosta de escrever uma caneta é a extensão de si próprio e um caderno o seu reflexo. São objectos especiais e, por isso, tratados ...